quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

... das Petas Zetas

 


Uma guloseima futurista, que todos queriam experimentar para ouvir o barulho que ela fazia na nossa boca.

Era incrível as coisas que podíamos comprar para comer durante a década de 80, guloseimas para todos os gostos e feitos que dependiam muitas vezes de um marketing inteligente para sobreviverem nas prateleiras. As Peta Zetas são um bom exemplo disso, era vendido como algo "espacial", aprovado pelos Astronautas e afins.


Foi um Químico que inventou esta guloseima ainda nos anos 50. William A. Mitchell concebeu este produto que era uma mistura de Açúcar, Lactose, Xarope de Milho e alguns condimentos em 1956, sendo patenteada pela General Foods Americana mas sem grande sucesso comercial. Não ajudou a criação de um mito urbano, em que se comessem esta guloseima e bebessem Coca-Cola ao mesmo tempo, podia haver uma explosão no estômago.

A empresa Espanhola Zeta Espacial compra então os direitos de produção e muda o nome de Pop Rocks para Peta Zetas começando a exportar para outros Países como Portugal, onde fez um sucesso tremendo. Apareceu em todo o lado e na publicidade mostrava um Astronauta todo contente a recomendar a ingestão deste produto, dizendo que é algo espacial e recomendado por todos os que andam pelo Espaço.

Curiosamente quando começaram a importação para os EUA, as Peta zetas chegaram a ter mais sucesso que o seu predecessor, provando que um bom marketing faz toda a diferença. Aquilo tinha vários "sabores", mas a piada era que quando metíamos aquilo na boca aquilo começava a fervilhar e "ardia" um pouco, era logo pura diversão para toda a criançada dos anos 80.

Quem não tentou falar com a boca cheia de Peta Zetas e ouvir aquele barulho estrilhante?








segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

... do Tamagotchi

 


Uma das maiores febres de todos os tempos, todos viviam em função deste bicho.


Os Tamagotchi dominaram a década de 90, um brinquedo electrónico que viciou tanto as crianças como os adultos. Um animal de estimação virtual que dava tanto ou mais trabalho que um real.

Bandai, uma das maiores empresas de brinquedos, criou este aparelho e lançou-o no mercado em 1996 no Japão onde se tornou logo um grande sucesso. Por norma este brinquedo vinha numa num computador numa forma oval, com 3 botões que nos deixavam aceder às funções básicas que nos deixava tratar do animal no seu interior.

Não tive nenhum, mas no final dos anos 90 eles também foram uma febre em Portugal, e tinha uma namorada que estava constantemente agarrada a um. Tinha-se que dar de comer ao bicho, brincar com ele, limpar as suas porcariass e até dar-lhe remédio se ficasse doente. Era uma verdadeira canseira, e isto apitava de forma irritante quando precisava de algo, por isso não o podias ignorar durante muito tempo.

Existiam vários ícones no ecrã que nos permitia controlar todos esses aspectos da vida do bicho, e falo em bicho porque maior parte deles eram em forma de pequenos animais, mas também existia em forma de pessoas. Criava muitas confusões na escola, por causa das crianças levarem o aparelho para a escola e para dentro das salas de aula.

Em 2010 tinham já sido vendidas mais de 76 Milhões de unidades, continua a ser fabricado em diversos formatos, existindo até uma app para os telemóveis Android,







terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

... da série Manimal

 


Uma daquelas séries que ficou para sempre na nossa memória, de tão má que era acabava por ser boa.

Manimal é mais uma série do grande produtor Glen A. Larson, homem que nos tinha dado o Knight Rider, mostrando as aventuras de Jonathan Chase (Simon MacCorkindale), um britânico que tinha o poder de se transformar em diversos animais, e ajudava assim a Polícia a resolver alguns casos, ajudando também as pessoas que estavam em apuros. As transformações eram ao estilo do videoclip Thriller, e iam desde uma Pantera até uma Águia passando por algo comum como um periquito ou canário.


O actor não era lá essas coisas, mas o que nos interessava era mesmo as transformações e os animais que ele ia encarnar. Foi uma série que teve 8 episódios, de Setembro a Dezembro de 1983 e que foram transmitidos pela RTP na segunda metade da década de 80 aos Sábados à Tarde. Entusiasmou a petizada por cá, sendo um dos temas de conversa no recreio. Cai naquela categoria em que é melhor não rever e ficar apenas com as poucas memórias que temos.