Outubro 2019 - Ainda sou do tempo

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

... do jogo Quem é Quem?

quarta-feira, outubro 09, 2019 0
... do jogo Quem é Quem?


Ainda sou do tempo em que os jogos de tabuleiro dominavam a diversão em família, e um deles era o Quem é Quem?

MB era já bem conhecida entre nós devido aos seus jogos divertidos e aos seus anúncios televisivos bem apelativos, e o  Quem é Quem? deve parte do seu sucesso ao reclame divertido que explicava o conceito do jogo.

O jogo consistia num tabuleiro com 24 fotos e nomes, do outro lado uma pessoa tinha uma foto e nós tínhamos que ir tentando adivinhar qual seria essa foto com perguntas do género "é Homem?" "é Mulher?" "Tem bigode?" e assim ir colocando para baixo os que não se enquadravam nesse perfil e chegar à foto desejada.

Joguei em algumas ocasiões, na casa de uma prima, gostava do factor "mistério" e ter que pensar nas opções disponíveis para descobrir a carta em questão. No começo era bem interessante, mas ao mesmo tempo caía rapidamente numa monotonia, para além que começava a ser fácil de adivinhar as caras devido à pouca variedade. O anúncio acabava por ser o melhor do jogo, o que não significa que não me tenha divertido com ele, apenas era de pouca duração.



fotos de Isabel Direito















terça-feira, 1 de outubro de 2019

... da Novela Sassaricando

terça-feira, outubro 01, 2019 0
... da Novela Sassaricando

Na década de 80, o horário nobre era preenchido por uma Telenovela Brasileira que juntava toda a família, em frente à sua TV a preto e branco (uma da Fundição de Oeiras no meu caso).

Sassaricando foi transmitida pela Rede Globo entre Novembro de 1987, e Fevereiro de 1988, no horário das 19h. Por cá a RTP usou o seu horário nobre, pelas 20h, e a novela teve bastante sucesso no nosso país. Com um forte conteúdo cómico, a história prendia-nos ao ecrã, ainda hoje se brinca com o marido a ir comprar cigarros e não voltar, além de nos fazer repetir chavões como "A cobra está fumando" ou "óia os meus melões". 

Nos actores o grande Paulo Autran, no seu último papel regular, interpretava o papel de um velhote simpático (Aparício Varella) completamente dominado pela sua esposa Teodora Abdalla (Jandira Martini), que era herdeira de uma fortuna considerável. Foi por essa fortuna que Aparício deixou o amor da sua vida, Rebeca (Tônia Carrero), para casar-se com Teodora. Fedora (Cristina Pereira) era a filha de Aparício, e protagonizava alguns dos melhores momentos de humor da novela. Extremamente arrogante, gostava de se armar em superior, em especial para o seu amado Leonardo Raposo (Diogo Vilela), ao qual chamava de Estropicío, e com o qual vivia uma relação amorosa cheia de altos e baixos.

Mas o maior atractivo da novela era uma família de parcas posses e marcada pelo abandono do pai, que foi comprar cigarros e nunca mais voltou, que se metiam constantemente em discussões e em confusões. Ricardo de Pádua (Carlos Zara) desapareceu deixando Aldonza Gutierrez de Pádua (
Lolita Rodrigues) com quatro filhos por criar: Jorge "Guel" Miguel (Edson Celulari), Constancia "Tancinha" (Cláudia Raia), Isabel "Bel" (Angelina Muniz) e Juana (Denise Milfont).


Tancinha estava sempre em conflito com o seu namorado Apolo (Alexandre Frota), o que só piorou quando se apaixona pelo "tampinha" Beto (Marcos Frota), e cria com isso alguns dos momentos mais engraçados que já vi numa novela, com a ingénua e pouco instruída Tancinha deslumbrada com o mundo mais sofisticado de Beto. O resto da família não lhe ficava atrás, e as peripécias do trabalho deles numa feira davam muito que falar entre os telespectadores.

Mas foi o irmão que acabou por ganhar um destaque inesperado, já que ajudou a desvendar o mistério de uma Seita, conhecida por deixar as pessoas à mercê de uma "cobra" com o conhecido cântico "a cobra, a cobra, a cobra está fumando". Para além do humor e deste mistério da seita, o fio condutor da novela mostrava um Aparício viúvo a tentar conquistar 3 solteironas fazendo-se passar por um Faxineiro, para reconquistar o seu amor da juventude que agora quer apenas um marido rico, e também por um Lorde Inglês, de modo a seduzir as amigas dela, Penélope (Eva Wilma) e Leonora (Irene Revanche).

Foi uma novela bastante divertida, cheia de chavões e personagens carismáticas numa altura que uma novela das 19h funcionava por cá em horário nobre sem muito problema. Em 2016 houve um remake, de seu nome Haja Coração, que não tinha o mesmo charme.