Maio 2019 - Ainda sou do tempo

terça-feira, 28 de maio de 2019

... destas garrafas de Vinagre

terça-feira, maio 28, 2019 0
... destas garrafas de Vinagre

sexta-feira, 17 de maio de 2019

... do Programa Encontros Imediatos

sexta-feira, maio 17, 2019 0
... do Programa Encontros Imediatos

Um dos programas de maior sucesso da SIC, especialmente quando começou a ser apresentado por Maria Vieira.

Encontros Imediatos foi uma adaptação de alguns programas televisivos Norte-Americanos dos anos 60, em especial do Dating Game, e o conceito era simples, o de tentar promover uma nova relação. SIC começou a transmitir isto em 1992, tendo tido como primeira apresentadora a veterana actriz Manuela Maria, sendo depois substituída pela Maria Vieira, e com esta à frente, o concurso subiu ainda mais nas audiências. 


A actriz cómica tentava tirar o melhor partido das situações e extrapolava tudo o que acontecia, e muitas vezes aparecia transformada numa personagem qualquer, como uma empregada de limpeza ou um cupido, e apresentava aquilo encarnando essa personagem.

3 rapazes, ou 3 raparigas, ficavam à mercê das perguntas que vinham de um pretendente, que estava do lado de lá de uma parede que os separava. Com essas perguntas tentava-se filtrar qual das pessoas podia ser a alma gémea, e tentar sair dali com uma relação.

Esteve no ar até 1994, sei que dava aos fins de semana mas não sei a que dia, se bem que tenho memória de ver os apresentados pela Maria Vieira ao Sábado. No final de cada programa para além do encontro romântico, oferecido pelo canal (e que podiam ir desde um jantar num restaurante de luxo a uma viagem aos Açores), recebiam também cheques avultados e vales de compra. Amor comercial no seu melhor.

Alguém se lembra disto?












quarta-feira, 15 de maio de 2019

... da Karto

quarta-feira, maio 15, 2019 0
... da Karto

A Karto foi uma das concorrentes da Majora, de certeza que alguns de nós já tiveram pelo menos um ou dois jogos desta companhia.

Não consegui dados da empresa, mas lembro-me de alguns dos jogos mais importantes. Existia o da Bolsa, O Risco, e o das Eleições (com os partidos políticos), tudo bastante elaborado e um pouco complexo. Aliás até tenho ideia de que os seus jogos por vezes eram um pouco mais elaborados, apesar de também terem tido jogos típicos de tabuleiro, ou outros de mesa mais infantis.

Nos de tabuleiro, deram-nos a versão portuguesa do Snakes and ladders, chamado Sobe e Desce, e tiveram versões também do jogo da Glória. Tiveram clássicos como Batalha Naval, Dominó ou Loto, e vários Puzzles e afins mais infantis com personagens como a Heidi e a Família Pituxa.

Também faziam sucesso com temas mais desportivos, como A Volta a Portugal em bicicleta e um do Mundial de futebol de 74. Lembro-me de jogar o das eleições, e de até gostar das coisas mais elaboradas desta empresa, apesar de ter tido mais da Majora.


Imagens Mistério Juvenil
Imagem Jogopedia

Primeira e última imagem de amojogos.wordpress




quinta-feira, 9 de maio de 2019

... do Nokia N-Gage

quinta-feira, maio 09, 2019 1
... do Nokia N-Gage

Uma tentativa da Nokia para entrar no mercado das consolas portáteis, criando um híbrido com todas as características de um telemóvel, e com a possibilidade de jogar também.

O modelo N-Gage foi lançado pela Nokia a 7 de Outubro de 2003, e algumas lojas não sabiam como o comercializar. Umas colocavam-no junto das consolas, outras junto dos telemóveis. Isso também não ajudou ao seu sucesso, com o aparelho a nunca incomodar o Game Boy Advance, e a ser um falhanço de vendas.

Com um ecrã de 3.5 cm por 4 cm, possibilitava ver os jogos com alguma qualidade, tendo um bom processador de imagem e pecando apenas nas teclas, que não eram muito práticas para os jogadores. o aparelho complementava isso com as vantagens de se poder fazer e receber chamadas, enviar SMS, ouvir MP3 ou rádio e até e-mails era possível.

Foram lançados 64 jogos, com o apoio de produtoras como Activision, Sega ou Codemasters, entre outros. Títulos como FIFA, Call of Duty, Bomberman ou Sonic, permitiam agradar todo o tipo de jogadores, mas nem isso ajudou para que a consola vingasse. Como telefone era pouco prático, e por isso o modelo foi morrendo aos poucos. A Nokia tentou de novo reformulando o seu design (mais oval), mas não foi o suficiente.










quarta-feira, 8 de maio de 2019

... dos 2 Stupid dogs

quarta-feira, maio 08, 2019 0
... dos 2 Stupid dogs

Foi um dos programas mais divertidos da década de 90, um dos últimos a ser transmitido no nosso país com uma dobragem em português do Brasil.

Os 2 Cachorros Trapalhões/Bobos (2 Stupid Dogs) foram criados por Donovan Cook nos estúdios da Hanna-Barbera em 1993, numa altura que estes faziam parte do império de Ted Turner, e por isso estes desenhos animados foram transmitidos pela TBS de 5 de Setembro de 1993 a 13 de Fevereiro de 1995.

Por cá pudemos ver a série em 1995, no programa Buéréré transmitido na SIC, na sua versão dobrada em Português do Brasil. Há muito que isso não acontecia pelo nosso país, mas até foi uma boa opção já que a dobragem adequava-se à loucura do desenho animado, e respeitava o seu espírito na perfeição, o que pude comprovar quando anos mais tarde vi a versão original no Cartoon Network.

Foram duas temporadas de 36 episódios que mostravam as aventuras de 2 cães não muito inteligentes, numa animação algo incomum para a época, com um aspecto mais simplista lembrando as animações clássicas do estúdio HB, mas com um humor à anos 90.

2 Stupid Dogs é o responsável pelo revitalizar dos estúdios da Hanna-Barbera, com um sucesso em vários países devido a um tipo de humor muito próprio, e que realçava sempre na perfeição a estupidez dos dois cães. Gostava sempre quando um osso ficava preso na cabeça do pequeno cão e este perdia o episódio todo à procura dele, ou este apaixonado por um cão de brinquedo. Outra parte que gostava, era quando surgia uma pequena capuchinho vermelho que era bastante sádica e torturava os 2 cães sem dó nem piedade.


O cão pequeno era o líder, apesar de em algumas ocasiões ser menos inteligente que o cão grande, e era bastante energético e hiperactivo com um grande medo de gatos. O cão grande, que na verdade era mais preguiçoso do que estúpido, apenas queria que o deixassem em paz, e não se preocupava muito com as coisas ao seu redor, mas sempre pronto para ajudar o seu amigo.

Existiam personagens que apareciam em diversos episódios, como um homem grande que invariavelmente surgia no caminho dos cachorros, e tinha pouca paciência para eles. Quando lhes explicava algo e eles não entendia, reagia sempre "isn't that cute...BUT IT''S WRONG".

Um dos meus episódios favoritos, é quando ele tem que colocar gotas nos olhos e fica sem conseguir ver, ao procurar um cão guia, acaba por ficar com estes 2 que só lhe causam problemas. Um programa bem divertido, foi raro o episódio que não teve piada, e um dos desenhos animados que ninguém com um bom sentido de humor deve perder.





quinta-feira, 2 de maio de 2019

... da Mini-série Shōgun

quinta-feira, maio 02, 2019 0
... da Mini-série Shōgun

Richard Chamberlain estrelou esta mini-série que mostrava as aventuras de um major inglês no Japão feudal.

Shōgun foi uma mini-série de 5 episódios, transmitida pela NBC em 1980, baseada no livro do mesmo nome de James Clavell (que serviu também como produtor) de 1975. Por cá passou pela RTP no começo da década de 80, em horário nobre, como já era comum no canal, e teve relativo sucesso.

Nos Estados Unidos, as audiências foram bastantes boas, continuando assim o sucesso deste tipo de produções, e fazendo com que as emissoras continuassem a apostar nisso. A produção teve lugar no Japão, ainda hoje é a única a atingir esse feito, e o investimento foi acertado com esta a conseguir o 1º lugar nas suas emissões.

Apesar de não ter sido a primeira escolha, Richard Chamberlain convenceu os produtores, que adoraram a sua performance. Chamberlain interpretou o Major John Blackthorne, que depois do seu navio naufragar na costa japonesa, vê-se na obrigação de negociar com dois homens que lutavam para chegar ao poder. Durante a trama Chamberlain vai mudando a sua opinião pelos japoneses, começando a admirá-los e a adaptar-se à sua cultura.