Agosto 2018 - Ainda sou do tempo

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

...do Gato Silvestre

quarta-feira, agosto 29, 2018 0
...do Gato Silvestre

O Gato Silvestre, ou Frajola para os brasileiros, é uma das minhas personagens favorita dos Looney Tunes, e a única a ter três estatuetas da academia.

Sylvester the cat, Silvestre em Portugal e Frajola no Brasil, apareceu pela primeira vez em 1935, mas foi a partir de 1945 que começou a aparecer regularmente. Criado por Friz Freleng, Silvestre era mais um animal antropomórfico, um gato preto e branco (numa espécie de smoking), que como em tantos outros cartoons da altura, apenas queria fazer cumprir a cadeia alimentar, perseguindo passarinhos (o piu-piu, ou Tweety no original) ou ratos (o Speedy Gonzales), apesar de fracassar sempre redondamente.

Assim como Daffy Duck, também Silvestre tinha um ligeiro problema na fala, e a sua frase "Sufferin Succotash" tratava de acentuar essa dificuldade. Em Portugal ficou "Sardinhas Saltitantes" se bem que também ouvi "Santa estupidez". Foi mais uma personagem com voz de Mel Blanc, com a qualidade que se lhe reconhece a qual foi-nos apresentada também em Portugal, durante anos a fios. Só no virar do Século, é que começaram a aparecer dobragens em português, fosse em VHS e DVD, fosse nos canais de cabo. Carlos Freixo foi o actor escolhido, substituído mais tarde por Vítor Emanuel.


Uma das coisas que eu mais gostava nele, era de estar sempre a resmungar, com um ar sempre muito aborrecido enquanto deitava um mar de perdigotos. Isto só era diferente quando aparecia nos desenhos animados do Porky Pig, aí aparecia como um gato medroso (que não falava), que via coisas que o seu dono não via e se aborrecia com o gato por causa disso.

Silvestre é a quarta personagem a aparecer em mais cartoons dos Looney Tunes e Merry Melodies, atrás apenas de Bugs Bunny, Daffy Duck e Porky Pig, e é a única a ter 3 estatuetas da academia. A sua rivalidade com Tweety, ficou para a história da animação (atrás apenas de Tom e Jerry), e décadas mais tarde, até fizeram desenhos animados só com os dois e a sua dona, a resolverem mistérios.

Silvestre também aparecia a sofrer consequências nefastas, contra um buldogue (que aparecia como guarda costas do piu piu ou sozinho), ou contra um canguru expert em boxe, já que o nosso herói confundia-o sempre com um rato (muitas vezes ia acompanhado do seu filho, que não tinha tanta vontade de perseguir os outros animais). Curiosamente foi daquelas personagens que só foi baptizada muito tempo depois, em 1948, com Chuck Jones a decidir-se por este nome.

Quem mais era fã da personagem?










terça-feira, 28 de agosto de 2018

... destes bilhetes da CP

terça-feira, agosto 28, 2018 0
... destes bilhetes da CP


Sempre gostei de andar de comboio, e eram bilhetes deste género que se usavam quando comecei a usar este meio de transporte, cheguei a fazer colecção deles e tudo. Achava piada quando vinha o "pica" (revisor), e furava o pequeno bilhete rectangular de cartão com força.
















quarta-feira, 22 de agosto de 2018

... de criar toques no Nokia 3310

quarta-feira, agosto 22, 2018 1
... de criar toques no Nokia 3310

Quem teve o Nokia 3310, lembra-se como era os toques desse telemóvel, e como tentávamos obter novos, que soassem a alguma música na moda, ou então de genéricos de séries.

Para além de podermos fazer o download de alguns sites, podíamos também criar nós próprios a melodia, existiam vários sites e revistas a explicar como fazer isso. Basicamente era ir pressionando os botões na ordem correcta, e gravar quando terminássemos, no final daria uma melodia que podíamos usar como toque. Quem fez isso?













segunda-feira, 20 de agosto de 2018

... dos cd's do Fido apresenta n1

segunda-feira, agosto 20, 2018 0
... dos cd's do Fido apresenta n1

No começo da década de 90, surgiu uma colectânea que servia de alternativa aos Hit Parade e Jackpot que ainda existiam. Usando a imagem do Fido, mascote da 7up, tentava assim apelar a um público mais novo e revitalizar o mercado das colectâneas.

Lembro-me de ver isto em vinil e k7, mas ao contrário dos Hit Parade e Jackpot, era o cd do Fido Apresenta N1 que conquistava o público. Os anos 90 pediam outra imagem, e o Fido Dido, a personagem cool que dava vida à publicidade para a 7up, foi a escolha ideal para protagonizar as capas destas colectâneas.

Eram editadas 2 por ano, no verão e no Natal, um pouco como depois a famosa colectânea NOW, e assim como esta, também trazia 2 cd's repletos dos sucessos desse ano. Publicados entre 1991 e 1996, as colectâneas foram um enorme sucesso de vendas, destronando os campeões da altura, que acabaram por desaparecer, e só conheciam rival nas colectâneas de músicas de dança que eram editadas pela Vidisco (e para um público totalmente diferente).

Esta colecção tinha ainda a particularidade de ter músicas de todas as grandes editoras da altura (Sony, BMG, EMI), e por isso era normal o sucesso, já que podia apresentar todos os cantores e sucessos desse ano.


Esta edição de 1995 trazia:

CD 1
1. Back For Good - Take That
2. Think Twice - Céline Dion
3. The Conquest Of Paradise - Vangelis
4. Non C'é - Laura Pausini
5. Here Comes The Hotstepper - Ini Kamoze
6. No More "I Love You"s - Annie Lennox 
7. She's A River - Simple Minds 
8. Independent Love Song - Scarlet
9. Whoops Now - Janet Jackson
10. I've Got A Little Something For You - MN8
11. Vulnerable - Roxette
12. Be My Lover - La Bouche
13. Mariana - Diva
14. In Existence - Beautiful World

CD 2
1. Scatman (New Radio Edit) - Scatman John
2. Nadar (SDL Hip Hop Remix) - Black Company
3. Cotton-Eye Joe - Rednex
4. Holding On To You - Terence Trent D'Arby
5. Unchained Melody - Robson & Jerome
6. Stay - Eternal
7. Whatever - Oasis
8. Perfume - Entre-Aspas
9. Undecided (Deep Radio Mix) - Youssou N'Dour
10. Open Your Heart - M-People
11. Bubbling Hot - Pato Banton
12. The First The Last Eternity (Till The End) - Snap feat. Summer
13. Gente Comme Noi - Spagna   
14. Tell Me When - Human League

Tinha 2 músicas nacionais,e muitos Êxitos internacionais, lembram-se destas músicas? Esta foi uma das mais populares desta colecção, assim como a de 1993, que reproduzo aqui a capa e lista de músicas


Cd 1
1 –4 Non Blondes What's Up
2 –Eros Ramazzotti Cose Della Vita
3 –Tina Turner I Don't Wanna Fight
4 –Take That Pray
5 –UB40 Can't Help Falling In Love
6 –Soul Asylum (2) Runnaway Train
7 –Depeche Mode Condemnation
8 –Haddaway Life
9 –Pet Shop Boys Go West
10 –Jon Secada Otro Dia Más Sin Verte
11 –Culture Beat Mr. Vain
12 –SWV Right Here
13 –Kenny G (2) Forever In Love

Cd 2
1 –Radiohead Creep
2 –Michael Bolton To Love Somebody
3 –2 Unlimited Tribal Dance
4 –Sitiados O Baile
5 –Mikel Erentxun A Un Minuto De Ti
6 –Sade Cherish The Day
7 –Héroes Del Silencio Nuestros Nombres
8 –R.E.M. Everybody Hurts
9 –Beverley Craven Love Scenes
10 –Luís Represas Fora De Tempo
11 –Billy Idol Shock To The System
12 –Shabba Ranks Housecall
13 –Terence Trent D'Arby Delicate
14 –Meat Loaf I'd Do Anything For Love (But I Won't Do That)

Este cd tem das melhores listas de música de uma colectânea, e tive o cd que ouvi bastante vezes, especialmente o primeiro, que punha a tocar de começo ao fim sem parar. Vou deixar aqui as capas do primeiro cd desta colecção, e as edições Latino e Brasil, com músicas latinas.








quarta-feira, 15 de agosto de 2018

... do jogo do Mauzão

quarta-feira, agosto 15, 2018 0
... do jogo do Mauzão




Foi talvez o último jogo da categoria "barulheira infernal", e foi bastante popular.

Distribuído pela Concentra na década de 90, o jogo do Mauzão tinha em comum com jogos como Tragabolas e Pulgas na cama, o facto de fazer uma enorme barulheira enquanto nos divertíamos. Neste jogo tínhamos quer tirar uns ossos da malga de um cão feroz, mas que estava a dormir, com uma pinça e termos cuidado para que este não acordasse e nos tentasse morder.

Quando ele acordava, tentava nos morder, o que provocava alguns gritos para além do barulho do próprio brinquedo. Quem teve um?











sexta-feira, 10 de agosto de 2018

... deste cartaz de Gelados Olá do ano 2000

sexta-feira, agosto 10, 2018 0
... deste cartaz de Gelados Olá do ano 2000
Já aqui falei de vários cartazes da Olá dos anos 80 e 90, hoje relembro um já quase do virar de século, do ano 2000.

No virar do século, a Olá decide abandonar os modelos nos seus cartazes, deixando de mostrar os casais apaixonados, e apresentando um apenas com o símbolo da companhia. Neste exemplar deve-se realçar uma das novidades, o gelado Solero, que aparecia aqui em 3 variedades, 2 com pauzinho, e uma numa espécie de copo. Este novo integrante prometia um refrescante sabor a fruta, e cumpria o prometido, tornando-se rapidamente um dos favoritos dos portugueses.

Nas novidades, para além do Solero, tínhamos um novo Magnum (juntando-se assim aos 3 já existentes), uma espécie de bolacha em forma de Moeda, a fazer companhia ao Perna de pau, com o mesmo sabor a morango. Existia ainda um gelado de pauzinho cilíndrico, chamado Twister, e mais um Cornetto, este em formato xxl, chamado Royal, que se tornou o 4º Cornetto do cartaz.

Depois tínhamos ainda os 3 Calippo, o Mini Milk, o Rol, os ainda sobreviventes Winner Taco, Feast e o gelado de gelo de laranja. Este é também um dos poucos cartazes a apresentar um Carté D'or e teve uma curiosidade, que foi a de apresentar uns pauzinhos que se interligavam, numa espécie de Legos.
























quarta-feira, 8 de agosto de 2018

... do Johnny Bigodes

quarta-feira, agosto 08, 2018 0
... do Johnny Bigodes

Uma personagem mítica, interpretada pelo grande António Feio, que deu um colorido ainda maior ao programa Ai, os homens da SIC.

Em 1996, a SIC tinha em horário nobre um programa em que os homens apareciam em destaque, de uma forma que fazia as delícias das mulheres. Ai os Homens era produzido por Teresa Guilherme, e com apresentação a cargo de José Figueiras, e um dos momentos mais interessantes era aquele onde surgia António Feio, encarnando uma personagem bem ao seu estilo.

Johnny Bigodes era um bon vivant, que queria sempre mostrar os seus dotes de galã e entrar também no concurso, achando-se irresistível para o público feminino. O talento de Feio, aliado ao texto de Nuno Markl, fez com que esta se tornasse um dos maiores sucessos do actor, com o bordão "É Carapau" a ser repetido pelo público dentro e fora do estúdio.















terça-feira, 7 de agosto de 2018

... do Citroën 2CV

terça-feira, agosto 07, 2018 0
... do Citroën 2CV

Um modelo de carro que ficou na história automobilística, o Citroën 2CV conquistou também os portugueses, sendo um dos carros mais comuns de se ver nas estradas do nosso país.

O engenheiro, e vice-presidente da Citroën, Pierre Jules Boulanger teve a ideia de fazer um veículo pequeno e económico ainda durante a década de 30. O projecto decorria sob a designação de TPV (Toute petite voiture, ou em português veículo muito pequeno), e mesmo com a entrada da família Michelin na empresa, continuou a ser um projecto importante para a companhia que colocou Alphonse Forceau, André Lefébvre e o italiano Flaminio Berloni a trabalhar na viatura.

Os protótipos, ainda refrigerados a água, começaram a aparecer ainda no final da década, mas com a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial, a produção ficou em pausa, com o primeiro carro a surgir no Salão do automóvel de Paris a 8 de Outubro de 1948. O seu design provocou algumas risadas, e alguns jornalistas não levaram muito a sério o projecto, mas a marca continuou a produção destes automóveis.

Com um motor bicilíndrico refrigerado a ar de 375 c.c. e uma potência de 9cv, acreditavam ser possível passar por cima do aspecto visual, já que o preço da viatura seria muito apetecível. Concebido para ajudar agricultores que ainda andavam a cavalos, o carro prometia ser duradouro e fiável, com uma carroceria resistente, baixo consumo de gasolina e uma suspensão preparada para durar longas viagens.


Ao longo dos anos, foram feitos mais de 3,8 milhões de 2 cavalos, com a Citroën a parar a sua produção em 1988, sendo que no nosso país ainda eram feitos 2cv, algo que continuou até 1990, altura em que também nós descontinuámos a produção deste modelo.

Uma prova da sua popularidade por cá, ajudada pelo facto de ser parte integrante de uma série de sucesso, o Duarte e Companhia. Mas não se pense que era só por cá que tinha destaque, o criador argentino Quino, introduziu o aparelho nas histórias da Mafalda, já que era o carro do pai dela, e também apareceu nas histórias do Tintim, numa aventura onde Dupont e Dupont conduzem este modelo da Citroën.

O nosso país ficará para sempre ligado a este carismático automóvel, com mais de 80 mil viaturas a serem produzidas no nosso país ao longo de mais de 15 anos. Foi em Mangualde que foi fabricado o último 2cv, e ainda hoje se fazem encontros de fãs deste carro, de onde tirei inclusive a primeira foto e a última do post.