Setembro 2017 - Ainda sou do tempo

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

... dos Cadernos Escolares Scotch

quinta-feira, setembro 28, 2017 0
... dos Cadernos Escolares Scotch


Estes cadernos eram muito populares no final da década de 70 e começo dos anos 80, com uma estampa igual ao tecido escocês Scotch, e com um rótulo branco onde se podia escrever o nome, a disciplina, ou simplesmente aquilo que se fosse apontar lá.

Isto porque o caderno não era só popular entre os mais novos, os pais usavam-no também, já que era um caderno robusto e resistente e com um padrão que lhes agradava também. A marca Firmo decidiu recuperar este design recentemente, recuperando este caderno para uma nova geração.

 Quem teve um?














... do programa Global Guts

quinta-feira, setembro 28, 2017 0
... do programa Global Guts

Voltamos a um Memórias dos Outros, desta feita Paulo Neto traz-nos as suas lembranças de um programa que passou na SIC, uma mistura de Jogos sem Fronteiras e Gladiadores Americanos, chamado Global Guts. Vamos então ao seu texto.

Gosto muito quando de repente abre-se uma porta na minha memória e lembro-me de algo de que há muito eu me tinha esquecido. Foi o que aconteceu durante os últimos Jogos Olímpicos que lembrei-me, vá-se lá saber como, de um programa dos anos 90 que era um misto de "Jogos Sem Fronteiras" e "Gladiadores Americanos" em que participavam miúdos de diversos países, incluindo Portugal.
Após alguma pesquisa, descobri que o tal programa era "Global GUTS" e tratava-se de uma spin-off internacional de "Nickelodeon GUTS", que como o nome indica era produzido pelo famoso canal infantil americano. O programa começou em 1992 apenas com concorrentes americanos, sendo que dois deles tornar-se-iam famosos: A.J. McLean que faria parte dos Backstreet Boys e Mike Vogel que tornar-se-ia actor, entrando em filmes como "O Massacre do Texas", "Quatro Amigas e um Par de Calças" e "Blue Valentine". A apresentação estava a cargo de Mike O'Malley(hoje mais conhecido pelo seu papel como o pai de Kurt em "Glee") e da britânica Moira Quirk, que também desempenhava a função de arbitragem.
Após a participação de alguns concorrentes britânicos na terceira temporada de "Nickelodeon GUTS", a quarta temporada foi uma versão internacional onde participaram concorrentes de onze países. Para além de Portugal e Estados Unidos, os outros países eram AlemanhaEspanhaIsraelMéxicoReino UnidoRússiaUcrâniaGeórgia e Cazaquistão, sendo que os concorrentes destes quatro últimos países jogavam no âmbito de uma equipa da Comunidade de Estados Independentes, nome pelo qual era designado o conjunto dos países da União Soviética nos anos seguintes à dissolução da mesma. Todos os episódios de "Global GUTS" (32 no total) foram gravados entre 12 de Julho e 25 de Agosto de 1995 nos Universal Studios em Orlando, na Flórida e exibidos nos meses seguintes em cada um dos países intervenientes.



No caso de Portugal, os 12 programas com a participação de concorrentes portugueses foram exibidos na SIC no "Buéréré", creio que aos sábados de manhã, no âmbito de uma parceria que então a SIC tinha com a Nickelodeon para a sua programação infantil, com o sub-título "Mostra O Que Vales". José Figueiras foi o apresentador português que fez a cobertura do programa, assegurando os comentários em português e as entrevistas aos concorrentes nacionais.  Em cada programa, havia três concorrentes, de países diferentes e de ambos os sexos (dois rapazes e uma rapariga ou duas raparigas e um rapaz), vestidos de azul, vermelho e roxo. Em cada programa disputavam-se cinco jogos. Os quatro primeiros iam variando a cada programa e tratava-se de variações de desportos existentes. Por exemplo, rematar bolas que caíam dentro de um tubo para dentro de uma baliza, defender uma baliza de bolas que iam sendo disparadas por canhões, fazer salto em altura ou encestar bolas de basquetebol com ajuda de uma corda de bungee-jumping, percorrer uma piscina de ondas num barco de borracha ou em cima de uma prancha, ou fazer uma corrida cheia de obstáculos à volta da pista. No fim de cada jogo, o primeiro classificado ganhava 300 pontos, o segundo 200 e o terceiro 100.

O quinto e último jogo era o mesmo em  todos os programas, o Super Aggro Crag (em português a Super Montanha) em que cada um dos três concorrentes tinha um percurso diferente mas idêntico para subir de mais 9 metros de altura e pelo caminho não só tinham que acender várias luzes (tendo que voltar atrás caso deixassem alguma por acender) e passar por vários obstáculos pelo caminho como fumos, tremores e avalanches de bolas. O vencedor deste jogo ganhava 725, o segundo 550 e o terceiro 375. 

E porque é que ao ver os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, eu lembrei-me do "Global GUTS"? Porque no final de cada programa, havia uma cerimónia de entrega de medalhas ao estilo dos Jogos Olímpicos, onde o terceiro classificado recebia uma medalha de bronze, o segundo uma medalha de prata e o primeiro uma medalha de ouro e um troféu, enquanto o hino nacional do país do vencedor era tocado. Por fim os três concorrentes davam uma volta à pista com as bandeiras dos seus países.Pelo que pude apurar, os doze concorrentes portugueses foram seleccionados através do Corpo Nacional de Escutas, sendo todos eles pertencentes a grupos de escuteiros da região de Lisboa.



Eis os nomes dos doze concorrentes portugueses, os seus nicknames no programa e os seus respectivos adversários:
Ana Cristina Figueiredo "Winner" (Angel - Espanha, Alexey - Rússia)
Ana Gouveia "Nika" (Ambar - México, Roy - Israel)
Ana Martins "Magic" (Adam - Reino Unido, Mayalen - México)
Ângela Almeida "Eagle" (Iris - Alemanha, Jeremy - Estados Unidos)
Bruno Mendes "Bruiser"(Julia - Espanha, Mario - Mexico)
Filipe Miranda "Boulder" (Alba - México, Matt - Estados Unidos)
Hugo Amaral "Amazing" (Ana - Israel, Julia - Alemanha)
Magda Cruz "Missile"  (Holger - Alemanha, Sandra - Espanha)
Nuno Correia "Wasp" (Michal - Israel, Melanie - Reino Unido)
Pedro Silva "Panther" (Carmen - Espanha, Paul - Estados Unidos)
Ricardo Miranda "Elastic Man" (Irina - Rússia, Rachael - Reino Unido)
Rita Almada Guerra "Warrior" (Arnold - Ucrânia, Marcia - EUA)

Apenas um concorrente português, Filipe Miranda, conseguiu ganhar uma medalha de ouro, superiorizando-se a uma mexicana e um americano. Portugal ganhou também cinco medalhas de prata e seis de bronze. Os Estados Unidos foram o país com mais medalhas de ouro (8), seguindo-se México (7), Reino Unido (6), Alemanha e Israel (4) e Espanha (2). Nenhum concorrente dos países da Comunidade de Estados Independentes ganhou uma medalha de ouro. Dois concorrente israelitas conseguiram ganhar os cinco jogos do seu respectivo programa e alcançar a pontuação máxima de 1925 pontos.

Em 2008, houve uma spin-off do programa nos Estados Unidos intitulada "My Family's Got GUTS".
Pelo que pude rever através de vídeos no YouTube e no Dailymotion, tratava-se de um programa bem interessante, que promovia a actividade desportiva de forma divertida e que podia ser recuperado nos dias de hoje.



Paulo Neto é conhecido pelas suas colaborações com outros blogs, e pelo livro que escreveu, de tempos em tempos colabora com este blog, e hoje foi mais uma das suas lembranças.






quarta-feira, 27 de setembro de 2017

... dos Chupas Mouro

quarta-feira, setembro 27, 2017 0
... dos Chupas Mouro

Quem não se lembra de ir ao mini mercado, ou à taberna, e pedir um chupa mouro? Antes de sermos invadidos por diversas marca de chupas, este era um dos mais populares entre os mais jovens nas décadas de 70 e 80, e ainda hoje perdura na memória de quem viveu nesse tempo.











terça-feira, 26 de setembro de 2017

... destas carteiras nas salas de aulas

terça-feira, setembro 26, 2017 0
... destas carteiras nas salas de aulas

Quem se sentou numa carteira como esta? Hoje deixo aqui algumas imagens, de carteiras que se encontravam nas salas de aula de Portugal até a década de 80. Feitas de madeira, a cadeira e mesa eram um só, umas mesas tinham um fundo, no qual podíamos guardar material, outras eram só mesmo a mesa.














segunda-feira, 25 de setembro de 2017

... do Belfy e Lillibit

segunda-feira, setembro 25, 2017 0
... do Belfy e Lillibit

Belfy e Lillibit passou por cá no começo da década de 80, fazendo parte da safra de desenhos animados com origem oriental, que marcaram presença na programação da RTP nos anos 80. Como todas as séries de sucesso da altura, teve direito a colecção de PVC, a revistas e a livros baseados no universo destas personagens.

Teve direito a dobragem em português, sob o comando de João Perry, passando no programa Tempo dos Mais Novos em 1983, pelo final da tarde. Belfy e Lillibit foi uma série japonesa criada por Shigeru Yanagawa e Tomoyuki Miyata, com um total de 26 episódios, transmitida originalmente entre 1979 e 1980. Por cá passou pela primeira vez em 1983, com uma dobragem que incluía nomes como João Perry, Maria de Medeiros, Leonel Poeira e Antonio Montez, entre outros.

Na série víamos as aventuras de dois amigos, uma orfã (como sempre) chamada Belfy, que vivia com o seu tio Dói-dói, e Lillibit, que adorava a companhia de Belfy e juntos com os seus animais, Mangar e Bola, exploravam o bosque onde viviam. Era uma comunidade de pequenos seres, pareciam uns elfos, e como era comum na altura, os animais eram amigos e parte integrante das suas aventuras. Quem era fã?














quinta-feira, 21 de setembro de 2017

... dos Apagadores de quadro

quinta-feira, setembro 21, 2017 1
... dos Apagadores de quadro

Eu sei que ainda existem, mas eu já não estou pela escola, e é por isso que os vou recordar. Quem não fazia guerras com isto, de os atirarmos todos sujos uns contra os outros? E a chatice que era quando os tínhamos que ir sacudir? A grande maioria dos apagadores eram da marca Cisne, que se tratava de uma empresa portuguesa, e faziam as delícias de quem ia ao quadro apagar algo, ou escrever com a sua esponja. Sim, quando eles estavam muito sujos, era comum escrevermos letras gigantes no quadro, só porque isso era possível e por isso nos divertia.










... do Tempo dos mais novos na RTP

quinta-feira, setembro 21, 2017 0
... do Tempo dos mais novos na RTP

O Tempo dos mais novos foi um, dos muitos, blocos que a RTP tinha para apresentar séries e desenhos animados dedicados ao público infanto juvenil. Foi transmitido no começo da década de 80, e animava os finais de tarde da petizada, que ao saírem da escola tinham a possibilidade de assistir aos seus programas preferidos.

Em 1982 chegou inclusive a abrir a programação, já que numa altura de contenção os canais abriam só pelas 17h. Realizado por Carlos Barradas, no genérico víamos um rapaz a ser transportado para dentro de uma nave espacial, puxado por um raio de luz, e nela encontrava-se o nome da rubrica, anunciada também por uma voz, o Tempo dos mais novos.

Neste bloco pode-se ver clássicos como Abelha Maia, Conan rapaz do futuro, Era uma vez o espaço, Calimero, Dartacão ou Sítio do Pica Pau Amarelo entre tantos outros.











terça-feira, 19 de setembro de 2017

... do Programa Apanhados do Joaquim Letria

terça-feira, setembro 19, 2017 0
... do Programa Apanhados do Joaquim Letria

Já aqui falei do grande Joaquim Letria, mas hoje recordar aquele que foi o programa que o tornou ainda mais popular junto dos portugueses, os Apanhados. Com a colaboração de nomes como Guilherme Leite e Manolo Bello, foi um sucesso na nova grelha da RTP1 e tornou-se um caso sério de popularidade.

A primeira vez que vimos apanhados, foi no começo da década de 80, no programa Tal e Qual, que era apresentado por Joaquim Letria. Tornou-se então uma constante na carreira do apresentador, e quando este esteve à frente do Já Está, lá voltaram os apanhados, e pouco tempo depois a RTP decidiu que era altura de ele apresentar algo que consistisse só em rubricas de apanhados.

Estreou na nova grelha do Canal 1 em Setembro de 1992, numa segunda feira em pleno horário nobre, e no qual Joaquim Letria mostrava-nos 2 situações em que uma equipa de actores, com Guilherme Leite em destaque, que protagonizavam sketches em que iam para rua tentar apanhar os portugueses desprevenidos.

Guilherme Leite ganhou alguma popularidade com o seu à vontade e jeito natural nas rábulas apresentadas, e quando Manolo Bello chateou-se com Letria, acusando-o de não pagar o combinado, levou o actor consigo para a SIC, apresentando algo do género no mítico Minas e Armadilhas. Joaquim Letria chegou a confessar que sentiu-se aliviado com o final do programa, já que apesar do dinheiro que recebia, ficava aborrecido por não poder ir a lado nenhum sem que o chamassem "senhor dos apanhados".














sábado, 16 de setembro de 2017

... desta camisa da Sacoor

sábado, setembro 16, 2017 0
... desta camisa da Sacoor

Nos anos 90 esta camisola azul da Sacoor estava um pouco por todo o lado, todos aderiram à moda da camisola do rato, que vinha na zona do peito em tamanho reduzido, e nas costas vinha uma versão maior deste rato sorridente aos saltos. Era o sucesso das feiras na década de 90, quem chegou a ter uma destas?


... do Larry Bird

sábado, setembro 16, 2017 0
... do Larry Bird

Tive pena de já ter apanhado o final de carreira de Larry Bird, mas mesmo assim tornou-se um dos meus favoritos e uma das razões para que me interessasse por este desporto. Foi um dos melhores dentro e fora de campo, conseguindo a proeza de ser o único na NBA a ter o título de MVP, de treinador do ano e de dirigente do ano.

Larry Joe Bird nasceu a 7 de Dezembro de 1956, no estado de Indiana, nos Estados Unidos, começando a jogar Basquetebol na universidade desse estado, antes de ser chamado para os Boston Celtics em 1979, jogando nessa equipa durante 13 anos, tornando-se um símbolo da mesma e um dos melhores de sempre do desporto.

Bird venceu o prémio de rookie do ano logo na sua estreia, e com as contratações do ano seguinte (Robert Parrish e Kevin McHale) formou aquela que é considerada uma das melhores frentes de ataque da NBA, com a qual os Celtics venceram logo um título na primeira temporada dos três juntos, vencendo os Houston Rockets na final.

A sua concentração dentro de campo era fantástica, e o jogador colmatava a sua falta de rapidez com a inteligência como encarava o jogo, e a forma como antecipava as jogadas dos seus adversários, para além de ser um exímio atirador. Juntamente com Magic Johnson, que entrou no mesmo ano que Bird para os Lakers, ajudou a que o público voltasse a ter um maior interesse pela NBA, com os confrontos dos dois a ganharem proporções épicas, num duelo que originou uma amizade fora de campo e grandes confrontos dentro deste.


As duas equipas dominaram a década de 80, estando sempre presentes nos grandes jogos e vencendo vários campeonatos durante esse período de tempo. Com Bird os Celtics nunca falharam um playoff, estando sempre presentes nessa fase do campeonato durante os 13 anos em que jogou pela equipa, com Bird a fazer parte da equipa do ano por 12 vezes e sendo escolhido como o melhor jogador em 3 temporadas consecutivas, de 1984 a 1986.

Era um dos jogadores mais respeitados dentro da NBA, admirado pelo seu talento e concentração dentro de campo, foi natural quando se soube que fora dele, Magic tornou-se um dos seus melhores amigos, e os dois continuaram a espalhar magia nos seus confrontos, apesar de Bird começar a ressentir-se de lesões no final dos anos 80. Mesmo assim em 1990 consegue um marco fantástico na sua carreira, ao chegar aos 20 mil pontos, mas dentro de campo começava a apresentar sinais de que a lesão nas costas o impedia de jogar ao melhor nível, tendo sido escolhido mesmo assim para integrar a Dream Team dos Estados Unidos da América, em 1992 para os jogos olímpicos de Barcelona.

Retirou-se nesse mesmo ano, e começou a trabalhar como executivo nos Celtics, onde esteve cinco anos, até decidir abraçar a carreira de treinador na equipa do seu estado natal, os Indiana Pacers. onde conseguiu alguns feitos interessantes, como a melhor media de vitórias dessa equipa e conseguiu inclusive levá-los aos playoffs. Conseguiu vencer o prémio de treinador do ano, e pouco tempo depois começa a sua carreira como dirigente nessa equipa, e conseguiu tornar-se o único neste desporto a conseguir juntar três títulos diferentes de melhor do ano, sendo considerado o dirigente do ano.

Um senhor dentro e fora do campo, continua a a espalhar a sua simpatia pela NBA, onde continuou como presidente dos Pacers até Maio deste ano, onde decidiu sair mas continuar com um papel de conselheiro. Quem mais foi fã dele?










sexta-feira, 15 de setembro de 2017

... deste Mapa de Portugal nas salas de aula

sexta-feira, setembro 15, 2017 0
... deste Mapa de Portugal nas salas de aula

Quem não se recorda de ter deste tipo de mapas de Portugal nas salas de aula de antigamente? Quando éramos chamados pelos professores, e tínhamos que enumerar distritos, capitais, províncias ou até serras e rios, e ai de nós se não soubéssemos responder correctamente. O mapa de Portugal administrativo era um dos mais comuns, sempre baseados no trabalho do geógrafo Amorim Girão, e com as alterações feitas pelos diversos ministérios de educação, dos diversos governos que fomos tendo. Alguém mais com trauma por não saber bem os rios ou as regiões todas?

Imagem retirada do blog santanostalgia











quarta-feira, 13 de setembro de 2017

... das Pistolas de brinquedo

quarta-feira, setembro 13, 2017 0
... das Pistolas de brinquedo

Nos anos 80, antes do Politicamente Correcto dominar o mundo, ainda era comum receber pistolas e revólveres de brinquedo. Tive vários, iguais aos que coloco aqui, e por acaso não desatei por aí aos tiros nem nunca mais voltei a pegar numa arma. No entanto enquanto criança, fosse com estas pistolas, fosse com paus que parecessem uma, fartava-me de andar ali aos tiros. Quem teve também uma pistola deste género?











segunda-feira, 11 de setembro de 2017

... de usar uma Lousa/Ardósia escolar

segunda-feira, setembro 11, 2017 0
... de usar uma Lousa/Ardósia escolar

Muitos de nós ainda usaram na primária uma Lousa, ou ardósia como já ouvi também, que era um pequeno quadro preto onde podíamos escrever com uma espécie de lápis e/ou giz. Era do tamanho mais ou menos de um livro, e era uma boa solução para as famílias menos abonadas, que escusavam assim de ter que comprar cadernos e lápis.

Outra vantagem, era de que a criança podia usar e reutilizar aquilo vezes sem contas, apagando rapidamente com um pano, húmido ou não, e aprendendo assim a escrever ou a fazer contas. Mas isto tinha alguma fragilidade, rapidamente partiam-se com as brincadeiras no recreio, ou pior, ficavam com os sulcos das coisas que haviam sido escritas anteriormente e já não se percebia muito bem o que se escrevia depois.

Não ajudava a falta de cuidado a apagar, muitas vezes era com a manga e usando cuspo, o que não facilitava a longevidade do material. Quem usou uma?
















domingo, 10 de setembro de 2017

... deste tipo de Pastas/Mochilas escolares

domingo, setembro 10, 2017 0
... deste tipo de Pastas/Mochilas escolares
Setembro é o mês do regresso às aulas, altura de voltar aqui a recordar coisas de outros tempos, como estas pastas escolares, muito comuns nos anos 70 e 80. Tive uma igual à primeira imagem deste post, recordo-me do stress que era tirar a fita daquelas duas bolsas frontais, e como gostava do barulho de click, ao abrir a bolsa principal. Tiveram alguma igual às imagens aqui apresentadas? Ainda têm a vossa? Se sim, partilhem essas imagens.