Ainda sou do tempo

terça-feira, 18 de setembro de 2018

... das Sebentas escolares

terça-feira, setembro 18, 2018 0
... das Sebentas escolares

Quem usou uma Sebenta na escola primária? Um complemento, ou mesmo um substituto, ao caderno, permitindo tirar apontamentos, desenhar ou fazer exercícios.

Durante alguns anos, era-nos entregue uma Sebenta como as da imagem, destacava-se por ser volumosa, e trazer muitas folhas em branco, para fazer o que quiséssemos com ela. Um complemento, ou mesmo um substituto, ao caderno, permitindo tirar apontamentos, desenhar ou fazer exercícios. Devia ser só para uso escolar, mas também era usado de forma recreativa, e muitos devem lembrar-se das brincadeiras em redor do nome dela, como por exemplo "Se És Bom Estudante Não Tires Apontamentos".

Imagem retirada do blog santanostalgia


Imagem retirada de página facebook Toydoll Brinquedos









quinta-feira, 13 de setembro de 2018

... do jogo Lemmings

quinta-feira, setembro 13, 2018 0
... do jogo Lemmings

Foi um dos jogos mais populares dos anos 90, e um dos mais vendidos de todos os tempos. Lemmings saiu para quase todas as plataformas, conquistando tudo e todos, e originando uma série de sequelas, remakes e spin offs.

Lemmings foi desenvolvido pela DMA designs para o Amiga em 1991, partindo de uma ideia de Mike Dailly, que tinha desenhado um Lemingue antropomórfico no Deluxe Paint. Juntamente com David Jones, criou então um jogo de plataforma, que era também um puzzle, com pequenos bichinhos simpáticos que fizeram com que todos se viciassem nisto.

Basicamente tínhamos que levar os Lemmings até à saída do nível, usando para isso as funções de cada um deles. Tínhamos uns que cavavam no chão, os que destruíam obstáculos com lança chamas ou ainda uns que escalavam tudo que lhes aparecesse. Andavam sempre atrás uns dos outros, e isso fazia com que tivéssemos que ser rápidos na jogada, senão caíam todos de um penhasco, por exemplo.

O sucesso foi imediato, e começou então a ser produzido para outras máquinas, desde os pc's às consolas, como NES, Mega Drive ou mesmo PSP, anos mais tarde. Vendeu mais de 20 Milhões de cópias, e teve das maiores pontuações de sempre, em diversas revistas da especialidade.















quarta-feira, 12 de setembro de 2018

... das Gilmore Girls (Tal mãe, tal filha)

quarta-feira, setembro 12, 2018 0
... das Gilmore Girls (Tal mãe, tal filha)

Voltamos a um memórias dos outros, desta feita para conhecer a opinião da Sofia Amado, sobre uma das minhas séries preferidas, as Gilmore Girls.

A primeira vez que vi Gilmore Girls, que por cá ficou conhecido como "Tal Mãe, tal filha", não fiquei fã, mas depois que vi uma maratona de uma das temporadas, fiquei completamente viciado no tipo de humor da série, cheia de referências cultura pop, e na química das personagens. Quando desafiei a minha sobrinha a ver isto de começo ao fim, também ela ficou viciada e vão ficar a conhecer a sua opinião. Fiquem então com a opinião da Sofia:



A série conta a história do quotidiano da mãe solteira Lorelai (Lauren Graham), e da sua filha Rory (Alexis Bledel), que partilham uma forte ligação entre a duas através de comédia, referências à cultura pop, e café.

Vivem numa pequena vila chamada Stars Hollow, em Connecticut, e são vizinhas de pessoas bastante peculiares (e no entanto cada um com o seu charme). Basta assistir alguns episódios para desejar ter uma vizinha intrometida como a Babette (Sally Struthers), festejar no armário da Lane (Keiko Agena), comer o macarrão com queijo mais chique de sempre feito pela Sookie (Melissa McCarthy) ou beber um café no Luke’s (Luke, o dono, é representado por Scott Patterson).

Claro que nunca poderíamos ignorar o casal mais sofisticado de Hartford (cidade vizinha de Stars Hollow), Richard (Edward Herrmann) e Emily (Kelly Bishop) Gilmore, que partilham uma complexa relação com a filha Lorelai, apesar de gostarem muito dela e de Rory. Os jantares de sexta feira à noite são sempre uma aventura com estes quatro!

Se ainda não viram, saibam que estão a perder o drama, o romance, e a oportunidade de observarem duas pessoas a comer uma quantidade de comida que alimentaria duas famílias (tios e primos incluídos) e de ouvirem a Paris (Liza Weil) a gritar com a pessoa que tomou posse do comando enquanto ela estava na casa de banho.

Foram “8” temporadas contando com o revival “Gilmore Girls- A Year in the Life”, que apenas tem 4 episódios de hora e meia; foi criada por Amy Sherman-Palladino e foi transmitida desde os anos 2000 até 2007, com o revival a ser emitido em 2016.






domingo, 9 de setembro de 2018

... do Mike e do Melga

domingo, setembro 09, 2018 0
... do Mike e do Melga

Foram duas personagens do mítico programa Herman Enciclopédia, que puseram um país inteiro a dizer "Fantástico, Melga".

A RTP queria o Herman de volta aos programas de sketches, para combater a SIC, e foi assim que estreou em 1997 o Herman Enciclopédia. Transmitido às terças feiras, em pleno horário nobre, o programa demorou a encontrar o seu espaço, mas rapidamente começou a conquistar o público português, que se rendeu à qualidade do elenco e da equipa criativa.

Apesar de não ter sido um vencedor nas audiências, a prova da popularidade do programa estava na rua, e nas pessoas que repetiam os bordões que ouviam por lá. E dois dos mais populares eram a dupla formada por Herman José e José Pedro Gomes, o primeiro era Melga, um vendedor de televendas, enquanto que o último era Mike, o seu sidekick entusiasta.

Numa altura em que já conhecíamos este tipo de programas, emitidos de madrugada, , não podíamos deixar de rir com o quão fiel isto era, mas tudo de uma forma mais absurda, claro. Desde os produtos apresentados, até ao facto de que o movimento dos lábios estava completamente dessincronizado com o que ouvíamos.

Nuno Markl escreveu alguns dos sketchs desta dupla, que ficou na memória de todos pelo entusiasmo de Melga e os seus "Espera, há mais" e a animação do Mike e o seu "Fantástico, Melga.".

















quinta-feira, 6 de setembro de 2018

... da Novela Salsa e Merengue

quinta-feira, setembro 06, 2018 0
... da Novela Salsa e Merengue


Nos anos 90 ainda existiam telenovelas com muito humor, e um dos maiores exemplos disso é a Salsa e Merengue, transmitida pela SIC no nosso país.

Transmitida pela Rede Globo entre 30 de Setembro de 1996 e 2 de Maio de 1997, foi mais uma novela das 19h, que foi colocada cá noutro horário, e neste caso até teve a particularidade de ser emitida ao fim de semana. Foi essa a decisão da SIC, dando assim a conhecer aos portugueses o primeiro trabalho escrito de Miguel Falabella, em parceria com Maria Carmem Barbosa e sob a supervisão de Gilberto Braga.

Com 177 episódios, a novela dirigida por Wolf Maya, teve um pouco longe dos números de outras produções transmitidas no mesmo horário, mas ainda assim teve uma boa perfomance, e o público reagiu bem ao humor apresentado na história e da boa interpretação de Arlete Sales. No elenco pontificavam nomes como Marcos Palmeiras, José Wilker, Walmor Chagas e Stella Miranda entre outros, que davam apoio ao casal protagonista, interpretado por Patrícia França e Marcello Antony.

A banda sonora fez sucesso, com a particularidade de ter uma música estrangeira no genérico, a "1,2,3, Maria" de Ricky Martin. A trama apresentava um triângulo amoroso, casos amorosos do passado a revelarem filhos bastardos, corrupção e muito humor. Quem viu?



















terça-feira, 4 de setembro de 2018

... de Roubar giz na escola

terça-feira, setembro 04, 2018 0
... de Roubar giz na escola
O regresso às aulas traz-me sempre boas memórias, fosse do material que se utilizava, fosse das traquinices que aprontava.

Lembro-me perfeitamente como havia o hábito de roubar de vez em quando um pedaço de giz da sala de aula, fosse branco ou de cor, precisássemos ou não dele. Quando andava na Pereira Coutinho em Cascais, no 5º ou 6º ano, eu e mais quatro colegas criámos um grupo chamado "Esquadrão Nagiz" :D, com direito a símbolo e hino. Sabíamos onde guardavam o giz, e depois uns ficavam de guarda, outros iam roubar o giz.

Até tínhamos um inimigo, uma contínua que tinha a alcunha de "Cobra". Tempos mais inocentes, algo que achávamos super perigoso mas divertido ao mesmo tempo. Quem mais fez algo assim?











quarta-feira, 29 de agosto de 2018

...do Gato Silvestre

quarta-feira, agosto 29, 2018 0
...do Gato Silvestre

O Gato Silvestre, ou Frajola para os brasileiros, é uma das minhas personagens favorita dos Looney Tunes, e a única a ter três estatuetas da academia.

Sylvester the cat, Silvestre em Portugal e Frajola no Brasil, apareceu pela primeira vez em 1935, mas foi a partir de 1945 que começou a aparecer regularmente. Criado por Friz Freleng, Silvestre era mais um animal antropomórfico, um gato preto e branco (numa espécie de smoking), que como em tantos outros cartoons da altura, apenas queria fazer cumprir a cadeia alimentar, perseguindo passarinhos (o piu-piu, ou Tweety no original) ou ratos (o Speedy Gonzales), apesar de fracassar sempre redondamente.

Assim como Daffy Duck, também Silvestre tinha um ligeiro problema na fala, e a sua frase "Sufferin Succotash" tratava de acentuar essa dificuldade. Em Portugal ficou "Sardinhas Saltitantes" se bem que também ouvi "Santa estupidez". Foi mais uma personagem com voz de Mel Blanc, com a qualidade que se lhe reconhece a qual foi-nos apresentada também em Portugal, durante anos a fios. Só no virar do Século, é que começaram a aparecer dobragens em português, fosse em VHS e DVD, fosse nos canais de cabo. Carlos Freixo foi o actor escolhido, substituído mais tarde por Vítor Emanuel.


Uma das coisas que eu mais gostava nele, era de estar sempre a resmungar, com um ar sempre muito aborrecido enquanto deitava um mar de perdigotos. Isto só era diferente quando aparecia nos desenhos animados do Porky Pig, aí aparecia como um gato medroso (que não falava), que via coisas que o seu dono não via e se aborrecia com o gato por causa disso.

Silvestre é a quarta personagem a aparecer em mais cartoons dos Looney Tunes e Merry Melodies, atrás apenas de Bugs Bunny, Daffy Duck e Porky Pig, e é a única a ter 3 estatuetas da academia. A sua rivalidade com Tweety, ficou para a história da animação (atrás apenas de Tom e Jerry), e décadas mais tarde, até fizeram desenhos animados só com os dois e a sua dona, a resolverem mistérios.

Silvestre também aparecia a sofrer consequências nefastas, contra um buldogue (que aparecia como guarda costas do piu piu ou sozinho), ou contra um canguru expert em boxe, já que o nosso herói confundia-o sempre com um rato (muitas vezes ia acompanhado do seu filho, que não tinha tanta vontade de perseguir os outros animais). Curiosamente foi daquelas personagens que só foi baptizada muito tempo depois, em 1948, com Chuck Jones a decidir-se por este nome.

Quem mais era fã da personagem?