quinta-feira, 29 de outubro de 2020

... da série Modelo e detective

 


Hoje relembrar uma série de bastante sucesso no nosso país, que misturava acção, comédia e romance.

Nos anos 80 era comum existirem séries no horário nobre da RTP, e muitas vezes nem as podia ver, já que passava hora de me deitar, mas em algumas noites conseguia apanhar um bocado, e ficar interessado na mesma. Modelo e Detective foi uma dessas séries, uma comédia que nos deu a conhecer aquele que se viria a tornar uma estrela dos filmes de acção, o Bruce Willis.

Modelo e Detective (Moonlighting no original e A Gata e o Rato no Brasil) teve 5 temporadas, entre 3 de Março de 1985 e 14 de Maio de 1989, com 84 episódios que ajudaram a consolidar e lançar as carreiras de Bruce Willis e Cybill Shepperd. É considerada a primeira série do género Dramedy (Comédia e Drama).

Foi transmitido pela RTP a um dia qualquer da semana na segunda metade da década de 80, na sua versão original e com legendas em Português, tendo algum sucesso entre o público Português.. No Brasil fez um enorme sucesso na sua versão dobrada e com um nome muito caricato, A Gata e o Rato, que acaba por se adequar bem ao que acontecia no decorrer da série.

Afinal foi a relação entre os 2 protagonistas que tornou o programa um sucesso junto do público, existia sempre uma tensão romântica, e até sexual, entre os 2 actores, sempre com algum humor à mistura.

A série mostrava como a ex-Modelo Maddie Hayes (Cybill Shepperd) dava a volta à sua vida depois de ir à falência, e como começou a olhar melhor para algumas empresas que detinha, como a agência de Detectives chefiada por David Addison (Bruce Willis).

Para além destes dois, o programa dava destaque ainda a Agnes DiPesto (Allyce Beasley), a recepcionista tímida e leal e a Herbert Viola (Curtis Armstrong), um temporário algo desastrado que acaba por ganhar um espaço próprio na agência. Os dois acabaram por se juntar, isso foi usado pelos argumentistas como forma de dar mais destaque aos dois, e a evitar a tensão que existia no estúdio devido à má relação pessoal entre Willis e Shepperd, que começava também a notar-se na química entre os 2 no pequeno ecrã.

A Fantasia era algo comum nesta série, vários episódios foram produzidos de forma elaborada para representar uma fantasia com o elenco do programa. Para além disso era também comum o quebrar da barreira com o público, várias vezes fazendo alusões à vida pessoal do elenco, de problemas com a produção ou canal, etc.

O tema de Al Jarreau tornou-se um hit, ajudando ao sucesso do programa, adequando-se na perfeição ao espírito que se queria transmitir, algo leve e descontraído. Uma pena que o mesmo não acontecia nos bastidores da série, os problemas entre os protagonistas davam azo a muitas discussões, que provocavam mau estar no elenco.

Quando os dois protagonistas consumaram a relação a coisa piorou, e o facto de Willis estar mais preocupado com a sua carreira cinematográfica e Shepperd com o nascimento dos seus 2 gémeos, foi natural que o cancelamento da série fosse inevitável.

Mesmo assim marcou uma época na televisão e muitos de nós continuamos a recordar com saudades as peripécias deste casal.








1 comentário:

  1. Boa noite, eu adorava ver essa série, e foi a partir de Moonlighting que o Bruce Willis se tornou um dos meus actores preferidos.

    ResponderEliminar