... do Noddy - Ainda sou do tempo

quinta-feira, 31 de maio de 2018

... do Noddy


Noddy apareceu pela primeira vez em 1949, mais uma criação de Enid Blyton, começando primeiro por aparecer em livros, e ganhando depois um programa de televisão, que já teve várias encarnações ao longo das décadas.

O primeiro livro de Noddy surgiu em 1949, mais uma criatura que provém da mente de Enid Blyton, que contava com a ajuda do artista holandês Hammsen Van der Beek, que ilustrou as aventuras do pequeno herói de 1949 a 1953, altura em que o artista faleceu, passando Noddy a ser ilustrado por Peter Wienk.

Foram editados 24 livros, o último saiu em 1963, e estima-se que só em França, as vendas sejam na ordem das 600 mil unidades anuais. Em 1955 surgiu o primeiro programa televisivo, e tornou-se parte integrante da programação infantil em Inglaterra, onde ainda é transmitido, sendo o programa mais antigo em exibição no Reino Unido.

Logicamente que o mesmo não é transmitido da mesma forma, foi alvo de várias alterações quer em desenho, quer em estrutura, ou até mesmo da história principal. As mais famosas foram Noddy (1975-82), e o Make way for Noddy (2002-08), que tornou a personagem imensamente popular para toda uma nova geração, revitalizando por completo a franchise.


Por cá tivemos direito às duas séries, mas a segunda foi muito mais popular, tornando-se até irritante para os mais velhos, que já não podiam ouvir a música de genérico, que era tocada non stop pelos seus filhos.

Noddy (Ana Luísa Martins) foge de uma loja de brinquedos, e é encontrado numa floresta por um grande urso, o Orelhas (Pedro Borges), que o ajuda e o leva para a cidade dos brinquedos. Arranja emprego como condutor de táxi, e vive ali as suas aventuras, que ocorrem quase sempre por causa da sua ingenuidade. Os duendes Mafarrico e Sonso (Vítor Emanuel e Quimbé) aproveitam-se bastante disso,

Noddy é ajudado muitas vezes pelo Sr Lei (Vítor Emanuel) e a Ursa Teresa (Joana Manuel), mas existem outros amigos, e na cidade todos gostam do nosso pequeno herói. A música do genérico ajudou muito a este novo sucesso, a letra era simples e ficava no ouvido, e a melodia animada tratava do resto. Quem ainda hoje não estremece ao ouvir "Abram alas para o noddy NODDY"?


Existiu por cá, e noutros países, uma febre de merchandising, e assim toda uma nova geração veio a conhecer, e amar, esta personagem, que já existia há mais de 50 anos. Cd's, livros, bonecos, material escolar, roupa, aparecia de tudo um pouco com o Noddy estampado.

Em 2009 surgiu outra série, que não foi recebida com o mesmo entusiasmo, e apesar de ter estado no ar até 2014, não teve o mesmo sucesso da sua antecessora. Em 2016, a Dreamworks adquiriu os direitos de Noddy, lançando uma nova série que ainda está a ser transmitida, e na qual o pequeno herói virou um detective, resolvendo os diversos casos que aparecem na cidade dos brinquedos.

Uma grande mudança desde a sua primeira aparição em 1955 (na televisão), mas talvez uma necessária, para conquistar mais uma geração de crianças.