... do Kostadinov - Ainda sou do tempo

quinta-feira, 24 de maio de 2018

... do Kostadinov


Foi uma das figuras principais do Porto dos anos 90, um avançado letal que dava tudo dentro de campo e tornou-se um dos preferidos dos adeptos.

Emil Kostadinov nasceu a 12 de Agosto de 1967, em Sófia, Bulgaria, começando a jogar futebol profissional no CSKA Sofia em 1984. Por lá começou a marcar muitos golos, ajudando o clube a vencer três taças nacionais, dois campeonatos e chegando às meias finais da Taça das Taças.

Depois veio para o FC Porto , onde jogou de 1990 a 1994, tempo suficiente para vencer três campeonatos e formar uma dupla temível com Domingos Paciência. Marcou 61 golos de dragão ao peito, venceu três campeonatos, quatro supertaças e duas taças de Portugal, sendo uma aposta constante desde a sua contratação.

Começou a jogar alguns jogos com Artur Jorge, agarrando a titularidade com Carlos Alberto Silva e sendo também aposta de Bobby Robson, Kostadinov ganhou o respeito de todos, colegas e adversários. Jogando num FC Porto conhecido por ter jogadores de raça, o búlgaro mostrou ser possuidor também de uma enorme paixão dentro de campo. Quem não se recorda de o ver a jogar ensanguentado com a cabeça enfaixada?


Deu nas vistas na Liga dos Campeões, ajudando os dragões a ter campanhas interessantes nessa competição, enquanto que por cá, fazia uma das melhores duplas de sempre, com o seu colega Domingos. Acabou por sair para o Desportivo de Corunha, numa altura que todos queriam jogar no campeonato espanhol, mas teve por lá pouco tempo, acabando por rumar ao Bayen de Munique, onde ainda conquistou uma Taça Uefa.

Jogou ainda na Turquia e no México, passando por um regresso ao clube onde começou a carreira, e acabando a mesma na Alemanha, ao serviço do F.V.S Mainz 05, antes de acabar o Século. Apanhou a geração de ouro da selecção búlgara, ajudando esta a marcar presença no Mundial de 1994 nos EUA, e a obter a sua melhor classificação.

Ficou no olho de todos o seu golo no jogo contra a França, na campanha de classificação, fazendo com que os gauleses ficassem de fora da competição. No mundial não marcou nenhum golo, mas jogou regularmente e ajudou a equipa a conseguir uma brilhante campanha.