quarta-feira, 2 de março de 2016

... das motos Famel



Já aqui falei das Casal Boss, e hoje recordarei outra fábrica Nacional que marcou muitos de nós, a Famel. Sediada em Águeda, foi um dos maiores expoentes nacionais, sendo uma das marcas mais populares entre as décadas de 60 e 80.

A Famel dominou o mercado nacional durante três décadas, e muito disso foi devido aos motores Zundapp, conseguindo inclusive um acordo com a marca Alemã para que esta não fornecesse outras empresas nacionais. A empresa foi lançando modelos bastantes populares como o XF-17 (uma réplica de uma Suzuki Stinger), equipada com um motor Zundapp de 5 velocidades, 7.1 cv e refrigerada a água ou ar, tornou-se o supra-sumo da companhia e ainda hoje é procurada por muitos, que a querem ter na sua colecção para a poder restaurar.

Foi no final dos anos 70 que este modelo fez parte dos sonhos de muito jovem Português, mas outros modelos tiveram sucesso como a XF-21 que com a sua cor vermelha destacava-se bastante das demais, ou a XF-25, todas bastante populares nos anos 80. Assim como as outras marcas nacionais, a Famel sofreu dificuldades com a concorrência que sofreu com a entrada de Portugal na CEE, abrindo falencia em 2002 depois de inúmeros processos em tribunal. Quem teve uma?










1 comentário:

  1. também tive uma toda vermelha de radiador andava que se fartava adaptei uma bobine de um Ford cônsul que tive e a mota disparava para 120 kh agora não há essas motorizadas deveria haver pois nessa época há via mais dinheiro para se gastar nos cafés ,bebia-se cerveja a vontade sem olhar para a carteira,agora as pessoas se endividarão para comprar um carro mas não anda-o nele para não gastar gasolina pois o ordenado é escasso,pois nessa altura eu dizia ao meu colega contabilista que se entrasse-mos na Europa ficaria-mos mais pobres e ele dizia que eu era parvo não percebia de nada da economia mas eu nessa altura tinha mais visão que ele pois eu morei em França vários anos da minha infância e via como os franceses pensavao pois na altura eles já tinhão excedentes de produtos agrícolas e então queria-o 10 milhões de par vinhos para excuar os seus produtos e agora temos a nossa economia produtora de rastos ,então quem tinha razão eu ou ele que era economista ,cambada de burros os portugueses,se deixa-o enganar pois quem manda na nossa casa somos nós e não os outros ,estou revoltado de não ter divulgado mais o meu ponto de vista para os portugueses porque agora estaríamos melhore pois poderia-mos fazer dinheiro e não precisaríamos de pedir esmola a Bruxelas,quem conduz os toiros são os morrais e nao o toireiro,o toireiro só serve para dar expetaclo e não conduzir o toiro,por isso o nosso país está como está ,está a vontade dos portuguéses

    ResponderEliminar