0


Numa época que todos queríamos fazer downloads, os gigas dados pelas operadoras não eram muitos e tínhamos que escolher programas que dessem para controlar os limites. O DC++ tornou-se um dos favoritos de todos, quer pela variedade de escolha, quer pela possibilidade de escolher bem os limites.

Os programador Jonathan Hess após assistir a trocas de arquivos no mIRC, decide aperfeiçoar um sistema de partilha de ficheiros usando um programa open source usando a rede direct connect, usando inclusive chat como nas salas do irc, aqui eram chamadas de Hubs. Assim nasceu em 1999 o DC++, que foi aperfeiçoado por Jacek Sieka, eliminando os erros e crescendo rapidamente, atraindo principalmente os coleccionadores.

Aliás ainda é usado hoje em dia, mesmo por causa de ter sempre material raro e não comum de se encontrar por essa internet fora. A minha colecção de BD digital foi conseguida por aqui, era fácil de encontrar coisas interessantes e depois era deixar várias slots abertas e torcer para que esse usuário não desligasse a conexão, senão perdíamos tudo.

Os HUBs se assemelham aos canais de IRC - eles agrupam usuários e tem uma sala de chat principal com direito a chat privado. Mas esses Hubs possuem muitos recursos inovadores: como são destinados a troca de arquivos, permitem que os usuários pesquisem o conteúdo compartilhado de todos os outros usuários. Também permite que se navegue individualmente por toda hierarquia de pastas que os usuários compartilham e escolher o que baixar.



 Os downloads são organizados em sistemas de filas - se um usuário estiver enviando uma quantidade de arquivos qualquer, um arquivo requisitado dele entra na fila de espera até que os download terminem. Possuem a função resume mas com um diferencial: após desconectar e se conectar novamente, o tempo na fila anterior é considerado e usuários que esperaram muito tempo tem prioridade ante os que estão na fila a pouco tempo.

Existem hubs públicos e privados. Muitos são específicos em algum tipo de conteúdo e estilo e é neles que muito material raro pode ser encontrado. Os hubs genéricos compartilham qualquer coisa, mas contam com grandes números de usuários. A nacionalidade do HUB também influencia em seu conteúdo. Por exemplo, HUBs brasileiros concentram grande acervo antigo de música brasileira, muitos já nem mais disponíveis no mercado.

Cada hub tem as suas próprias regras, mas a maioria deles exige que o usuário compartilhe uma certa quantidade de arquivos. Existe toda uma hierarquia de usuários que se esforçam em manter os hubs em funcionamento. Os usuários "Owners" são, por assim dizer, os donos do hub. Os OPs são operadores, cuidam das tarefas diárias do hub. Existem ainda os VIPs, usuários frequentadores e que ajudam na manutenção, e finalmente os "users", usuários comuns.

Quem ainda usa isto?



Parte do texto retirado da wikipedia









Enviar um comentário Blogger