... do DragonHeart Coração de Dragão - Ainda sou do tempo

sábado, 11 de abril de 2015

... do DragonHeart Coração de Dragão


Um daqueles filmes que apesar de não ser nada por aí além, ganhou um estatuto de culto e um carinho especial pela parte do público. Os bons efeitos especiais e a excelente voz de Sean Connery são as principais razões para que DragonHeart seja ainda hoje um filme com algum sucesso.

DragonHeart - Coração de Dragão foi um filme de fantasia e aventura de 1996, realizado por Rob Cohen e com Dennis Quaid e a voz de Sean Connery como protagonistas. O dragão parecia fantástico, para quem viu isto no cinema (como eu) era impossível não ficar impressionado com algumas das cenas, e as expressões faciais em tudo semelhante às de Connery na vida real, ajudavam a dar uma alma e vida à personagem que foram muito para além do que a história pedia.

A empresa ILM esmerou-se, e Draco é considerado ainda hoje um dos melhores Dragões do cinema, com a sua presença a ser quase sempre imponente, e a voz de Connery a dar-lhe uma dignidade e sobriedade muito boa.

A história do filme é simples e todo ele é feito quase a pensar num público juvenil, vemos um príncipe (Elnon interpretado por Lee Oakes) filho de um tirano a receber parte do coração de um dragão, com esperança que ele venha a ser melhor Rei que o seu pai. O cavaleiro Bowen (Dennis Quaid) também cai no erro de confiar no petiz, e tenta-o treinar para perceber as boas regras dos cavaleiros e ser assim um bom rei. Quando este vira um monarca pior que o seu progenitor, Bowen culpa a parte de coração de dragão e persegue o mesmo para se vingar.

Quando o encontra percebe que afinal ele é um ser nobre, e depois de algumas conversas chegam até a engendrar um plano para ganhar algum dinheiro, com Bowen a fingir-se caçador de Dragões e a prometer às aldeias que as podia libertar da ameaça deste animal. Mais tarde decidem enfrentar o tirano, mas percebem que este só podia morrer se Draco fosse morto também.

Uma película interessante com alguma leveza mas que não torna o filme fraco, mas ao mesmo tempo afasta-o do que poderia ser verdadeiramente. Em todo o caso aconselho a qualquer um que seja fã do género medieval. Originou uma prequela e uma sequela, ambas directas para vídeo e sem nenhum do charme do original.