0

Foi um dos melhores desenhos animados dos anos 90, e um dos que marcou o começo da SIC, com personagens interessantes e um estilo de animação diferente do que estávamos habituados, os Rugrats tinham tudo para triunfar e assim o fizeram.

Os Rugrats (com o cognome meninos de coro em Portugal e os anjinhos no Brasil) foram uma das séries mais populares do canal Nickelodeon, tendo tido nove temporadas bastante premiadas e ainda alguns filmes fora dos episódios regulares. Criados por Arlene Klasky, Gabor Csupo e Paul Germain, os Rugrats pretendiam mostrar como os bebés e as crianças na idade pré escolar viam o mundo, fugindo um pouco do que se via nas outras décadas, que mostravam quase sempre crianças em idade escolar ou mais avançado.

A forma como eles encaravam o mundo que os rodeava dava azo a situações bem engraçadas, com um bebé líder com um grande espírito de aventura sempre acompanhado dos seus quatro amigos bebés e fugindo da sua prima de três anos que tentava sempre infernizar a vida deles. Os adultos do desenho animado não tinham grande protagonismo, mas marcavam a sua presença no programa e tornavam-se por vezes parte integrante das histórias.

Foi transmitida em Portugal pela SIC em 1992, lembro-me de ver aos fins de semana de manhã (Domingo acho) e de as primeiras temporadas serem no original com legendas em Português, mais tarde começaram a dar com dobragem Portuguesa que foi alterada algum tempo depois. Ambas as versões tinham a sua piada, mas a versão Portuguesa foi bem feita e tinha mais piada que a original.


Tommy Pickles (Natália Luísa) era o bebé em destaque na série, uma criança aventureira (com um ano) que ainda mal conseguia andar e estava sempre com uma t-shirt azul e a sua fralda, o seu melhor amigo era o Chuckie Finster (Cristina Carvalhal), que parecia ser um pouco mais velho, usava óculos e uma farta cabeleira ruiva e sempre com uma camisa azul e uns calções verdes, para além de ténis sempre com os atacadores de fora. Era o medroso do grupo, sempre com objecções às ideias dos outros e pouca vontade se aventurar.

Existem ainda o casal de gémeos Phil e Lil Deville (Isabel Ribas e Luísa Salgueiro) sempre vestidos de igual como manda a praxe, e.também eles andavam em pé em vez de rastejar mas também eles seguiam o que Tommy sugeria. Neste desenho os bebés comunicam entre si, apesar dos adultos nunca perceberem e existia alguém que percebia tanto os adultos como as crianças, a prima do Tommy, Angélica Pickles (Isabel Ribas), que tem três anos, e usa isso como uma vantagem quando pretende manipular os adultos ou os pequenos. O problema é que ela é muito má para os bebés e pensa que já não é um, tratando eles muito mal e sempre a querer estragar a felicidade deles.

Os pais de Tommy eram os que apareciam mais, e normalmente eram bem calmos e preocupados com a sua criança, ao contrário da mãe de Angélica que se focava mais no trabalho. Os restantes pais apareciam pouco, e o adulto com maior destaque era o Avô, que ficava muitas vezes a tomar conta das crianças para grande alegria delas. Sempre que saía um filme, era criada uma nova personagem e isso acabou por diluir um pouco o espírito do desenho.









Enviar um comentário Blogger