0


Foi um dos maiores concursos da RTP, aquele que marcou sem sombra de dúvida os anos 90 e o que esteve mais tempo no ar. Casa Cheia teve vários apresentadores, todos eles deixando a sua marca no programa, e tornou-se uma febre em Portugal que não se limitava só ao programa televisivo, mas também a uma revista que saía.

O concurso Casa Cheia começou a ir para o ar em 1990 mantendo-se no ar até 1999, tornando-se assim um dos programas mais marcantes da década e do canal do estado. A RTP continuava a sua aposta nos concursos, apresentando este formato ao fim de semana depois de ter estreado uma mão cheia de concursos nos outros dias da semana, colocando o famosos entertainer Fernando Pereira ao comando da emissão que era transmitida em directo do Casino Estoril.

O programa começou por ser emitido aos Sábados, passando algum tempo depois para os Domingos à noite onde se manteve até o seu final, dando-nos um concurso divertido que tinha no seu apresentador alguém que também fazia os momentos musicais, algo que depois foi se perdendo no concurso que se manteve mais fiel à sua componente de jogo.


Era mais um programa de cultura geral, os concorrentes tinham que responder correctamente às perguntas que eram feitas e ao mesmo tempo ir preenchendo o cartão electrónico que lhes era dado no começo do concurso. Em casa também tinha que se tomar alguma atenção, já que na revista Telejogos saía um cartão que funcionava um pouco como no Bingo, nele vinham vários números e tínhamos que ir vendo os que os concorrentes acertavam, porque eram esses que depois contavam para nós.

A revista tornou-se um sucesso de vendas, esgotava rapidamente e era procurada um pouco por todo o lado. Algo normal num programa que teve quase 500 emissões, era mais uma razão para o ver e tomar atenção aos números, tínhamos depois duas horas para telefonar e reclamar o prémio.

Ao fim de quase 30 edições, Carlos Ribeiro toma o lugar de apresentador, tornando-se também o rosto do concurso, porque esteve no período de auge da popularidade do programa e porque voltou em 1997 ao comando do mesmo. Foi Serenella Andrade no entanto a que esteve mais tempo à frente do programa, durante 4 anos (curiosamente entre os dois períodos de Carlos Ribeiro), dando a energia ao concurso como só ela sabia dar.

Cristina Lebre (algumas edições entre Serenella e Ribeiro) e Pedro Miguel Ribeiro (no final) foram os outros dois apresentadores do concurso.


O concurso apresentava três concorrentes, cada um na sua bancada que tinha o cartão electrónico por baixo, e que tinham que responder às perguntas carregando na campainha e ir tentando preencher ele por completo, Primeiro eram os cantos, vencendo aquele que respondia primeiro de forma correcta a 4 questões, passando depois para o corredor central que era dividido da seguinte forma:

Números 16, 21 e 26: Factos e personalidades
Números 17, 22 e 27: Artes e letras
Números 18, 23 e 28: Desportos e campeões
Números 19, 24 e 29: Gentes e locais
Números 20, 25 e 30: Espetáculos e vedetas

Um pouco como o Trivial Pursuit, um jogo de tabuleiro que fazia sucesso também nessa altura, e dependendo do conhecimento que os concorrentes tinham. Sim também aquele famosos papa concursos passou por lá, mas pelo que me lembro não lhe correu muito bem. A variante para casa, e durante algum tempo para o público no Casino também, já dependia mais do factor sorte.

Se os concorrentes respondessem de forma errada, ou não respondesse, ficava fora de casa e caso acertasse uma pergunta de uma casa já preenchida tinha direito a um tiro de sorte, numa casa à sua escolha.

Passando essa primeira fase, iam para uma seguinte onde jogavam sozinhos. O concurso tinha um bom ritmo, e os apresentadores davam sempre um bom ambiente que fazia com que nunca se tornasse maçador. Existiram pelo menos duas emissões que se destacaram, aquela no dia 28 de Setembro de 1997 que festejava os sete anos do programa, e que juntou Fernando Pereira, Serenella Andrade e Carlos Ribeiro num momento especial a apagar as velas, e a de 9 de Novembro de 1991 que teve como convidados especiais Teresa Guilherme, Herman José e Carlos Cruz. Quem não se recorda da mítica entrada em que os convidados se atiram para o chão e para cima da Teresa Guilherme, perante a risada de Carlos Ribeiro?

Alguém comprava a Telejogos? Ou ficavam só a ver o concurso?







Alguma informação retirada do Brinca Brincando.





Enviar um comentário Blogger