... do Rudi Voller - Ainda sou do tempo

quinta-feira, 10 de julho de 2014

... do Rudi Voller



Um dos jogadores que está no livro dos Mundiais de futebol como um dos melhores de sempre, Rudi Völler foi um avançado possante que marcou a década de 80 e um dos esteios de uma das selecções mais fortes da Alemanha. Chegou à final como jogador e como treinador da selecção, e foi uma das figuras da equipa do Roma nos anos 90.

Rudolf "Rudi" Völler nasceu a 13 de Abril de 1960, começando a sua carreira em 1977, marcando golos com regularidade e chamando a atenção do 1860 Munique onde jogou duas temporadas antes de ingressar em 1983 no Werder Bremen e chegando assim à Bundesliga, o principal campeonato na Alemanha.

Nesse ano conseguiu também também a sua primeira chamada à equipa da Alemanha Ocidental, onde se veio a tornar uma das principais figuras e um exímio atacante. No Bremen deu nas vistas e em 1987 depois de se ter sagrado melhor marcador da bundesliga, foi contratado pelo Roma, onde ganhou a taça de Itália e foi durante anos o melhor marcador da equipa, ganhando a alcunha do Alemão voador, pela sua graciosidade na grande área.

Esteve na Série A até 1992, altura que foi vendido ao Marselha de França para substituir outro grande avançado, Jean Pierre Papin, e onde voltou a deixar todos admirados com a sua capacidade goleadora e a sua presença dentro de campo.

Fez parte da equipa que venceu a taça dos Campeões Europeus em 1993, apesar desse título ter sido retirado alguns anos depois por acusações de suborno.

Quando o clube desceu de divisão, regressou para o seu país e alinhou no Bayer Leverkussen, onde veio a terminar a carreira em 1996, longe do fulgor de outrora mas ainda marcando alguns golos. Aí começou também a sua carreira de treinador, que o levou à selecção onde tinha sido feliz como jogador. Junto com Beckenbauer, chegou a uma final como jogador e como treinador, apesar de ter conquistado o título apenas como jogador.

Marcou 8 golos em fases finais do mundial, sendo internacional pelo seu país por 90 vezes e marcando 47 golos. Jogou em 3 Europeus de Futebol (começando em 1984) e esteve presente nos mundiais de futebol do final da década de 80 e começo dos anos 90. Faz parte dos três jogadores que marcaram um golo numa final do campeonato do mundo, começando o jogo como substitutos, e esteve presente em várias finais, sendo campeão em 1990 no mundial realizado em Itália.

No Europeu de 92 uma lesão logo no início enviou o jogador para casa, enquanto que no mundial de 94 problemas com Klinsmann o impediram de ser titular e de dar o contributo ao seu país. Conhecido pelo seu bigode e farto cabelo, Völler também tinha um sorriso que fazia com que fosse reconhecido mesmo à distância. Um grande jogador que era exímio na finalização e um dos mais elegantes na grande área.