0

Tivemos sempre bom acesso às produções de qualidade que vinham de Inglaterra, e a RTP deu-nos a conhecer tanto o filme como a série baseada no livro Wind in the Willows, ou como ficou conhecida em Portugal, o Vento nos Salgueiros.

Wind in the Willows (Vento nos Salgueiros), foi um livro infantil escrito por Kenneth Grahame em 1908 mostrando as aventuras de 4 animais antropomórficos numa Inglaterra bucólica de outros tempos e com outra classe e encanto. Grahame tinha escrito a história em diversas cartas para o seu pequeno filho, só depois se lembrou de as reunir e editar um livro que lhe rendeu uma fortuna, dando-lhe a oportunidade de deixar o seu emprego e tudo.

Começou a ficar mais famoso ainda quando a obra começou a ser adaptada para o teatro, dando um maior destaque ao sapo que continuou aquando das adaptações para TV. Em 1983 a Cosgrove Hall films produziu para a Thames Television um filme em stop motion que veio a ganhar um Bafta e um Emmy. O filme de 80 minutos foi transmitido pela iTV, com alguns actores conhecidos a emprestarem as vozes a estas personagens carismáticas e com música de artistas de bandas como Herman's Hermits.


Com o sucesso do filme produziu-se uma série que teve 5 temporadas e 65 episódios, transmitida entre 1984 e 1987 (a 5ª em 89) e que passou na RTP, já não me recordo se dobrada em Português se no seu original e com legendas, mas sei que a música do genérico era em Português e pela voz de Jorge Palma, eis a letra da música:

VENTO NOS SALGUEIROS

Enquanto eu seguia caminhando
Em uma manhã na primavera
Eu encontrei alguns viajantes
Em uma velha estrada rural

Um era um homem velho
O segundo uma moça
O terceiro era um jovenzinho
Que sorriu enquanto disse

REFRÃO:
"Com o vento nos salgueiros
Os pássaros no céu
Há um sol radiante para nos aquecer
Onde quer que deitemos...
Nós temos pão e peixes
E um jarro de vinho tinto
Para dividir em nossa jornada
Com toda a humanidade."

Então eu lhes pedi
Que me dissessem seus nomes e sua raça
Assim eu poderia me lembrar
De cada sorriso em seus rostos

"Nossos nomes, não querem dizer nada...
Eles mudam ao longo do tempo
Então venha se sentar ao nosso lado
E dividir nosso vinho"

REFRÃO

Então eu me sentei ao lado deles
Com flores por toda parte
Nós pegamos um manto
Estendemos no chão

Eles me contaram sobre os profetas
E povos e reis
E tudo de um Deus
Que tudo sabe

"Nós estamos viajando para Glaston
Sobre as estradas verdes da Inglaterra
Para ouvir sobre os problemas dos homens
Para ouvir suas dores
Nós viajamos o mundo todo
Sobre terra e mar
Para dizer a todas as pessoas
Como elas podem ser livres..."

REFRÃO

Tão tristemente eu as deixei
Naquela velha estrada rural
Pois eu sabia que nunca mais os veria
Um era um homem velho
O segundo uma moça
O terceiro era um jovenzinho
Que sorria enquanto dizia...



No filme foram omitidos alguns capítulos do livro e uma ou outra diferença, a série já foi bastante mais fiel à fonte. Vemos assim como uma Toupeira se cansa das limpezas da Primavera e decide ir apanhar ar e passear, indo parar a um local onde se encontra o Rato e o seu barco, depois de alguns passeios trava amizade com ele e começam a andar muito tempo juntos. No verão decidem visitar o Sapo, um animal rico que vive num salão imponente e por norma é sempre bastante animado e divertido, e está sempre a trocar de hobbys e de passatempos.

Mais tarde conhecem o Texugo, completando assim o grupo de animais que vive as aventuras juntos e se tornam bons amigos. Aparecem mais animais nas histórias e capítulos, mas este grupo torna-se aquele de onde parte toda a acção.

Nunca fui muito fã deste tipo de programa, feito por stop-motion mas este realmente tinha um encanto especial e lembro-me de gostar de ficar a ver com encanto aquelas paisagens todas e as aventuras que eles viviam.









Enviar um comentário Blogger