0

Sempre que entrávamos na sala de aula e víamos o retroprojector em cima de uma mesa, já sabíamos que vinha aí seca. Era o momento de levarmos com acetatos a mostrarem-nos dados e explicações sobre algo, que quase sempre resultavam numa aula aborrecida e que se salvava porque ficávamos quase sempre às escuras e isso passava despercebido.

O Retroprojector sempre foi um objecto mais utilizado nas salas de aula, utilizando os tais acetatos onde se escrevia com umas canetas próprias e depois projectava-se isso numa tela (ou parede que era o mais comum) para ser visto por toda a turma. Tanto podia ser em aulas de Matemática ou Físico-Química como em aulas de História ou Geografia, bastava o(a) Professor(a) querer utilizar isto em vez de andar a escrever no quadro com giz.

O pior era quando algum se lembrava de pedir um trabalho de grupo onde também tínhamos que usar isto, tínhamos que ir para ali para a frente usando aquilo que por vezes não ajudava nada no que queríamos mostrar/explicar. Aliás era sempre clássico o "Foca mais isso" ou "vira o acetato ao contrário". Outra coisa que achava pouco prática era o de termos sempre que tapar o texto, para que não se visse o que vinha aí, o que complicava ainda mais a operação toda.

*wikipedia moment*Seu funcionamento baseia-se na emissão de um feixe de luz, emitido por uma lâmpada, que atravessa a lâmina transparente que contém o texto, colocada sobre uma superfície também transparente. Esta superfície consiste numa lente – - lentes de Fresnel - que concentra a luz emitida pela lâmpada a fim de aumentar a luminosidade projetcada na tela.

O feixe de luz que atravessa a lâmina refracta-se numa lente convergente conjugando uma imagem real dos objectos (texto). Como este feixe de luz é interceptado por um espelho plano disposto logo acima da lente, esta imagem real torna-se um objecto virtual para o espelho plano. Este, por sua vez, conjuga na tela uma imagem real e ampliada deste objecto virtual.*wikipedia moment*

Penso que já não deve ser tão utilizado, mas era algo muito comum nas aulas de várias gerações. Quem se lembra disso?






Enviar um comentário Blogger