2


Ainda sou do tempo de ficarmos entretidos com cantilenas que muitas vezes não faziam sentido nenhum mas que nos divertiam imenso, algumas delas para decidirmos quem fazer algo, outras em autocarros nas visitas de estudo ou então algumas no recreio que por vezes até envolviam uma coreografia a 4 mãos.


Se tu visses o que eu vi, dominó
à porta do tribunal, dominó
As cuecas do juiz, dominó
embrulhadas no jornal, dominó
Esta rua cheira a sangue, dominó
Foi alguem que se matou, dominó
Foi a mae do meu avô, dominó
da janela se atirou, dominó
mandaria construir, dominó
um palacio de cristal, dominó
P'ra mim e p'ra ti, dominó


Esta era uma das minhas preferidas, e cantava alegremente os primeiros 4 versos sem o dominó e sem coreografia nenhuma, apenas pela estupidez da letra. Depois havia as para escolher alguém para algum jogo:


1 dó li tá 
cara de amendoá 
1 seredo colorido 
quem está livre 
livre está! 
1,2,3, fora! 


Havia as sem muito sentido como esta:


Pimponeta, 
pitá, pitá, pitucha. 
pita, pitá, pitucha, 
plim. 

E a mítica nas visitas de estudo no autocarro:


Senhor condutor
Se faz favor
Ponha o pé
No acelerador,
Se chocar
Não faz mal
Vamos todos
Para o Hospital,
Hospital de Santa Maria
Que é uma grande porcaria,
Hospital de São José
Que cheira sempre a chulé.



São apenas algumas que me lembro assim de repente, daquelas que não envolviam variações de cantigas infantis ou umas que ajudavam a desentorpecer a língua. E é daquelas coisas que ao ler, conseguimos cantarolar a melodia na nossa cabeça.



Enviar um comentário Blogger