3


Há alturas em que falo de séries e há pessoal que olha para mim como se tivesse sonhado as coisas, eu lembrava-me de algo no estilo dos Thunderbirds e que no final do episódio havia um "jogo do galo" com os robôs intervenientes mas o resto do pessoal não se lembrava. Graças ao Google descobri que era os TerraHawks e assim lembrei-me logo do nome por cá e tudo, Brigada Falcão.



A Brigada Falcão deu por cá em 1988, na sua versão original e com legendas, nos finais de tarde da RTP 1 no mítico espaço "Brinca Brincando" e apesar de não ser muito fã de séries de Marionetas, esta conquistava-me a atenção. Era mais uma série de Marionetas que usava a técnica Supermacromation, da mente de Gerry Anderson e Christopher Burr e que foi transmitida originalmente entre 1983 e 1986 em 3 temporadas de 13 episódios cada. Não me recordo se foram todos transmitidos por cá, eu via isto apenas ocasionalmente mas sei que seria por essa altura, entre 1988 e 1990. A série foi escrita por Gerry Anderson, Tony Barwick e Trevor Landsowne e relatava as as aventuras de um grupo de Soldados que protegia a terra da invasão de Extraterrestres que já tinha destruído as bases da Nasa no Planeta Terra e em Marte. O ano era o de 2020 e esta ameaça Alienígena era constituída por andróides liderados pela maléfica Zelda e que tinha umas armas que tinham a forma de um cubo.



No lado dos Terrahawks existiam uns robôs redondos, e eram estas duas máquinas que apareciam no tal jogo do galo no final de cada episódio. Era uma das melhores memórias que tinha, até porque os "maus" venciam em algumas ocasiões, algo não muito comum na altura e que me entusiasmava um pouco. As batalhas entre estes cubos e esferas nos episódios eram giras, os efeitos sonoros davam outro ar à coisa e distraíam do facto de estarem a ser filmados num quintal qualquer.

Nesse aspecto lembro-me que os vilões da série eram, como habitual nesta altura, pouco eficazes e mais distraídos nas lutas internas do que a derrotar os heróis da história. A líder tinha um discurso à lá Ming, até no tom de voz, e do lado dos bons lembro-me de um dos cientistas, o Tiger, que era um pouco um Dr. House, gritava e tratava mal quase toda a gente e estava sempre distraído a jogar videojogos (muito à frente para a altura). Outra boa lembrança era as naves que usavam para atacar, tinham um bom design e dava logo outro colorido à coisa toda.

Estive a ver uns episódios no Youtube e sinceramente, bad acting aside, ainda se vê muito bem. Não me importava que repetissem isto por aí.









Enviar um comentário Blogger