3

Ainda sou do tempo em que um jogo em que consistia basicamente de texto e de usar o ponteiro do rato para o jogarmos, era mais do que suficiente para nos viciarmos e jogarmos horas a fio. Não havia preocupação com gráficos, existiam centenas de menus que tínhamos que clicar para o poder jogar, mas nada disso impedia-nos de jogarmos um simples jogo de estratégia e nos deixarmos contagiar pelo objectivo do jogo. Um desses jogos que consumiu bastante do meu tempo, foi o Transport Tycoon Deluxe.

Começávamos numa década com uma companhia que controlava os seguintes meios de transporte: Autocarros, Comboios, Barcos e Aviões. Conforme o tempo ia avançando, começavam a aparecer companhias rivais que podiam combater connosco pela mesma cidade/vila, ou ir para outro local e começar aí o seu crescimento. Outra questão era a dos meios de transporte, que se iam modernizando com o passar dos anos e tínhamos que estar atentos para estar sempre a renovar a nossa frota.

Umas vezes jogava com os nomes originais (vilas Inglesas), outras dava-me ao trabalho e colocava nomes reais para ser mais simples de decorar onde tinha as minhas estações e onde ia competir pelo contrato que a câmara oferecia.

Podíamos transportar passageiros, bens, gado ou materiais pelos mais diferentes meios de transporte, era ver qual seria o mais rentável para a nossa companhia. Por exemplo, um comboio com vários vagões seria mais rentável para transportar carvão do que autocarros, e isso era importante para equilibrar as nossas finanças. Mas outros factores entravam em cena, como o dinheiro que se iria gastar a desflorestar o caminho, a construir um túnel, a aplanar o terreno ou simplesmente a alcatroar e/ou colocar carris, isso tudo devia ser levado em conta para que as receitas fossem mais do que as despesas e não tivéssemos que pedir empréstimos ao banco.

Um avião podia ser uma fonte de dinheiro em transporte de passageiros, mas era um investimento muito grande que podia não ter o retorno imediato que necessitávamos. Eu era mais fã dos autocarros e comboios, quando bem estruturados em matéria de estações e quantidade de veículos a circular, podiam me  dar a estabilidade necessária para fazer a minha companhia crescer. Outra coisa que gostava, era a de ir comprando acções da companhia rival e se possível, fazer um takeover à mesma.

Ainda jogo hoje em dia, e continuo a ser fã de ter que ligar mais ao texto e ao que faço com o rato do que com botões e gráficos, e é incrível como ainda me consegue viciar apesar dos dias agora serem muito mais pequenos do que na minha adolescência :D.


Enviar um comentário Blogger