Quando apareceram as batatas frita da Matutano no começo dos anos 90, já eu andava pelo liceu e estava mais habituado aos pacotes simples da Ti-Ti ou da Pála-Pála,
por isso aquela foi uma novidade bem vinda, quer pelos pacotes apelativos quer pelos brindes divertidos que vinham lá dentro.

A ordem penso ter sido mais ou menos esta: Fantasmas que brilhavam no escuro, Canetas de cor em todas as cores possíveis e imaginárias, Pega-Monstros, Jóias de plástico diversas como brincos e pulseiras, bonecos pequeninos em pvc, Caveiras que brilhavam no escuro e Tazos.

Os Pega Monstros foram uns dos que tiveram mais sucesso sem sombra de dúvidas, afinal era algo pegajoso que se podia atirar ao cabelo ou cara de alguém ou ainda para colar ao tecto ou outros locais. Uma das melhores coisas era tentar que aquilo trouxesse algo agarrado, como uma folha de papel ou uma caneta. O maior problema era que, com o passar do tempo, aquilo ia perdendo a sua habilidade de colar e cheio de pêlos e lixo colados no "monstro".

Os que gostei mais era uns pequenos autocolantes, que pareciam pequenos fantasmas, que brilhavam no escuro. Tinha a colecção toda repetida para poder colar em diversos locais no quarto, depois era ligar o candeeiro para cima deles de modo a ver como brilhavam. As canetas também eram giras para escrever algo com letras grandes e coloridas. Um sucesso com as raparigas da escola.

Mais sucesso ainda tiveram as jóias que eles davam em alguns pacotes de batata frita, brincos e pulseiras gigantes e bastante coloridas que as raparigas adoravam usar. Para não perder o seu público masculino eles voltaram a apostar em algo que brilhava no escuro, umas pequenas caveiras do tamanho de um porta-chaves e que assim podiam servir para tentarem assustar as raparigas.


Também existiu uma aposta numa colecção de bonecos em pvc, minúsculos, que não encontrou muito sucesso apesar de serem coloridos e bastante engraçados no seu design. O grande sucesso da companhia veio para o meio da década com uma grande campanha publicitária que gerou o frenesim entre todas as crianças, os Tazos.

As personagens escolhidas para abrilhantar estes pequenos discos plásticos, foram os bonecos Looney Tunes que para além do coleccionismo que despertavam, tinham o extra de servirem como jogo. O jogo era simples, atirar os Tazos para cima de outros de modo a tentar vencer os Tazos do seu oponente. Brincadeira simples e viciante que gerava multidões nos recreios e muito barulho à mistura.


Foi daquelas coisas que quando surgiu, tive pena de não ser mais novo e aproveitar na sua totalidade, mas era divertido ver os outros nesses campeonatos e a emoção que isso chegava a transmitir nos pequenos campeonatos que se fazia por essas pracetas fora.